Kleber minimiza “dependência” e quer sintonia entre equipe e torcida em decisão contra o Cianorte

Por Guilherme Coimbra com informações de Osmar Antônio

 

Kleber quer torcida e equipe jogando juntos pela classificação no Couto Pereira (Divulgação/Coritiba)

O Coritiba se prepara para a missão de reverter a desvantagem diante do Cianorte, no domingo (23), no Couto Pereira, para avançar à final do Campeonato Paranaense. Para o duelo de volta, a equipe terá o retorno do atacante Kleber, que estava suspenso e não atuou na primeira partida. Artilheiro da equipe na competição, o Gladiador minimizou sua ausência como fator crucial para a derrota e pediu sintonia entre torcida e equipe para não esbarrar no nervosismo na decisão dentro de casa.

Eu já passei por isso em alguns lugares. Particularmente acho um pouco injusto, até porque são onze jogadores, fora os reservas e o grupo. Não estou falando só pelo meu lado, mas se fosse outro jogador também seria injustiça. No futebol eu já me acostumei com isso. Sei que vou tomar pancada quando não jogar bem, até porque se espera mais de alguns jogadores e eu me incluo na lista. Temos que saber lidar e eu já aprendi a lidar com isso”, disse Kleber em entrevista à imprensa.

Principal referência alviverde, o atacante pediu a torcida jogando junto com a equipe e que as vaias sejam evitadas para não atrapalhar os jogadores em campo. “Primeiro, o torcedor tem que entender que já estamos em certa desvantagem. Não podemos ter duas, que é a torcida começar a vaiar ou criticar logo cedo. Sabemos que, se o torcedor comparecer e nos apoiar como sempre fez, com certeza isso vai nos ajudar. Mas eles têm que entender que as vaias podem prejudicar a nossa equipe”, enfatizou.

Depende muito de nós. Se você vai lá e faz um gol logo no começo, as coisas já começam a ficar mais calmas. É obvio que, se vai passando o tempo e não consegue fazer o gol, o clima vai ficando tenso. Pela experiência que nós temos, tem que ter tranquilidade e não deixar que isso [a pressão da torcida] nos desestabilize no jogo”, complementou o Gladiador.

Kleber reconheceu as qualidades da equipe adversária antes do duelo e evitou falar em “vexame” no caso de eliminação para o Cianorte no estadual. “É difícil falar em vexame. Sabemos que hoje não tem time bobo, todos têm condições de fazer bons trabalhos. Uma coisa que conta muito é ter base. Por mais que seja um time que muita gente não conheça os jogadores, eles já vêm jogando juntos. Eu, particularmente, acho difícil mudar toda hora. No Coritiba e em todos os clubes que passei, toda vez que acontece isso, fica difícil de encaixar. E este ano isso tem acontecido constantemente por aqui”, afirmou.

O Coritiba encara o Cianorte no domingo (23), às 16h, no Couto Pereira, válido pela semifinal do Campeonato Paranaense. Só a vitória interessa para a equipe que, para não levar a decisão para os pênaltis, precisa vencer o Leão do Vale por dois ou mais gols de diferença.

Notícias relacionadas

Os comentários estão fechados.