Assim defino o desempenho do time na Argentina. Péssimo futebol é o que vimos. Um time desarrumado, primeiro com três volantes e só um atacante, depois sem meias e com três atacantes, um desequilíbrio só. Falta de equilíbrio que vimos após o primeiro gol do Vélez quando Deivid e Weverton quase foram pra briga ou quando João Paulo foi substituído e fez cara feia e a gigantesca insatisfação do Adriano ao ser colocado no jogo apenas quando a vaca já ido pro brejo. Esse desiquilíbrio todo vem da insatisfação de grande parte do grupo de jogadores com o treinador. Insatisfação que já vem desde que ele chegou e a diretoria de futebol foi contornando para que o FURACÃO passasse pra fase de grupos da Libertadores. Isso não é opinião e sim informação.

Pelo que vimos em campo na Argentina não há mais como contornar. Acho que é preciso mudar o comando pra recuperar as rédeas com o grupo de jogadores. Vi um time perdendo ao natural, sem vergonha de perder, jogadores que são guerreiros conformados com a derrota. Sempre digo que é dado muito valor aos treinadores  porque acho que quem decide são os jogadores. E infelizmente são eles também que decidem quando não querem um treinador. Coisas internas, como mudanças de hábitos no dia a dia no CT fizeram com que o grupo virasse o nariz para o espanhol.

E o Adriano? O Imperador precisa jogar. Se fisicamente está bem e técnicamente é craque, precisa de ritmo de jogo. Não pode jogar apenas pouco mais de cinco minutos por jogo. Se sou Adriano provava que está focado e pedia pro Petráglia ordenar que jogasse sábado de carnaval contra o Jotinha. Mas como se nem voltou pra Curitiba? Adriano foi direto pro Rio de Janeiro e a diretoria diz que volta sexta-feira já que o time principal vai treinar no carnaval. Será que volta? Tinha que jogar sábado, aí talvez voltasse, pra treinar só, duvido.

SAUDAÇÕES RUBRO-NEGRAS!