Por Pedro Melo com informações de Monique Vilela

Wagner Lopes pede paciência para Paraná sair de campo com a vitória no domingo. (Monique Vilela/Banda B)

Depois da classificação sofrida para a segunda fase da Copa do Brasil, o Paraná volta suas atenções para o Campeonato Paranaense e tem a chance de assumir a liderança isolada caso derrote o JMalucelli neste domingo (12), às 17h, na Vila Capanema.

Sabendo da dificuldade da partida, o técnico Wagner Lopes conta com o apoio da torcida paranista para conseguir a terceira vitória no estadual. “É natural se atirar e buscar o resultado. Precisa ter paciência, rodar a bola e achar situações de 1 para 1 para fazer jogadas de ultrapassagem e ter até superioridade no ataque ou até mesmo 1 contra 1 para fazer jogadas individuais. Precisamos contar com o apoio do nosso torcedor e será um jogo difícil. A juventude nossa não pode passar na frente da precaução. Temos que usar a velocidade na hora certa e aproveitar as oportunidades”, declarou.

Mais uma vez, o treinador seguirá o sistema de rodízio e deverá colocar uma equipe alternativa em campo. Lopes afirmou que pretende colocar em campo os jogadores com as melhores condições físicas. “O plano é ver como cada atleta se reapresenta. Dentro dessa perspectiva, vamos colocar os melhores para jogar”, disse.

“Nós estamos desenvolvendo um trabalho, mas acredito muito no nosso grupo e no meu trabalho. Quero trabalhar ainda mais e melhor para desenvolver melhor o jogo que estamos propondo. Cada jogo é o mais importante da instituição e queremos que o torcedor tenha orgulho. Vou atrás dessa resposta todos os dias”, acrescentou o comandante.

Em relação aos novos reforços, um caso está sendo tratado com muito carinho pela comissão técnica: Guilherme Biteco. O meia ficou de fora dos gramados durante oito meses por conta de uma cirurgia e ainda perdeu o irmão Matheus Biteco no trágico acidente da Chapecoense.

O técnico paranista explicou que Biteco será aproveitado aos poucos para ter condições de jogar os 90 minutos o mais rápido possível. “Temos que ter um cuidado muito grande com o Guilherme. Não apenas no aspecto emocional, mas ele vem de uma inatividade muito grande. Foram oito meses fora porque ele operou o LCA. Então, tem toda uma recuperação física e emocional. Estamos tendo um carinho especial e ele vai entrando aos poucos nas partidas. Não adianta eu começar com o atleta sabendo que só tem 40 minutos de alta intensidade e sim, queremos ele durante o jogo inteiro”, destacou.

Confira as informações do Paraná com a repórter Monique Vilela: