Por Guilherme Coimbra com informações de Monique Vilela

Mais líder do que nunca, o Paraná derrotou o Cascavel fora de casa, na tarde deste domingo (12), e abriu quatro pontos de vantagem para o segundo colocado no Campeonato Paranaense. Depois da partida, o técnico Wagner Lopes avaliou a vitória de virada no oeste paranaense e destacou a importância da superação emocional do Tricolor dentro da partida.

“Fortalece muito o nosso trabalho, o fato de usarmos jogadores diferentes em competições diferentes e mesmo assim conseguimos manter um padrão de jogo. Hoje nós começamos mal, principalmente no quesito concentração. Tomar um gol logo aos dois minutos, vindo de uma coisa que nós treinamos muito, que é a bola parada, desestabiliza qualquer time. Mas tivemos um controle emocional para reagir, empatar e vencer o jogo”, afirmou Wagner Lopes em entrevista coletiva no Olímpico Regional.

O treinador paranista destacou a importância de trabalhar o lado psicológico para que os atletas mais novos não sentissem a pressão de sair atrás no placar. “Eu acho que o estado mental, você saber como reage o atleta, é muito importante. Eu dou muita importância e acho fundamental você ter ferramentas para motivar, para fazer com que o motivo da ação esteja na mente e no coração de cada um deles. Sempre falamos que os jogadores representam a empresa, então pedimos que façam o melhor no dia a dia”, disse.

Com apenas uma derrota na temporada, Wagner Lopes considerou a importância do elenco estar preparado para não se abater quando as críticas vierem. “Esse é um momento que nós procuramos trabalhar para quando as coisas não fluírem. Muitas vezes no Brasil, nós somos julgados erroneamente por conta de resultados adversos. Então temos que prepará-los também para saberem reagir quando vier a crítica. Nós sabemos que não existe time imbatível e que temos que ter humildade e os pés no chão para saber trabalhar melhor”, ressaltou.

O Paraná agora foca no duelo da próxima quinta-feira (16) na Copa do Brasil, contra o ASA-AL. “Nós precisamos virar a chave para começar a pensar no ASA de Arapiraca. É o que eu falo, cada vez mais nós exigimos que o nosso grupo tenha uma disputa interna leal. E o mais importante é que quem vai ganhar com isso é o Paraná, fazendo com que o coletivo seja cada vez mais importante que o individual, para que tenhamos uma equipe competitiva e que dê orgulho para a nossa torcida”, finalizou.