Valquir Aureliano
Bater adversários que naõ conseguiu vencer no primeiro turno é mais que obrigação para o Tricolor

As 14 rodadas que o Paraná Clube disfrutou entre os quatro primeiros do Campeonato Brasileiro da Série B hoje são apenas lembrança no imaginário do torcedor. Desde que deixou a zona de classificação à elite do futebol brasileiro no fim de agosto, após perder para o Bragantino no encerramento do primeiro turno, o elenco amarga uma fase que não lembra em nada o bom futebol apresentado no início da temporada.

A doze jogos do fim da Segundona, o time tem o duro desafio de vencer pelo menos nove dos adversários que ainda restam. Isso se considerados os números de 2010, quando o América-MG, último classificado para a elite, terminou o campeonato com 63 pontos. O que siginifica dizer que o Tricolor ainda precisa conquistar 28 dos 36 pontos que o separam, em tese, do acesso à Série A.

Para atingir a complicada meta, o Paraná terá que bater clubes que não conseguiu vencer no primeiro turno. Entre eles, o próprio Vitória, adversário da próxima sexta-feira (30). ASA, Ponte Preta, Barueri, Sport e Bragantino também são times que venceram o Tricolor na etapa inicial do campeonato. Já os confrontos com São Caetano e Guarani terminaram empatados, resultado que agora já não interessa mais para o time da Vila. Entre os grupos que o Tricolor conseguiu bater no primeiro turno e precisa voltar a vencer estãoDuque de Caxias, Vila Nova, Criciúma e ABC.

Após sair na frente diante do Icasa, o Paraná terminou surpreendido pelo time cearense e se complicou ainda mais na tabela. Para o atacante Dinelson, autor do único gol do Tricolor, o foco agora é definido de acordo com cada jogo. “A gente buscou a vitória, mas infelizmente não veio. Temos que ter os pés no chão e pensar jogo a jogo. É preciso dar algo mais, e é esse espírito que precisamos daqui pra frente”, defendeu o atacante após a partida.