Por Pedro Melo com informações de Monique Vilela

Cerca de 100 torcedores estiveram na Vila Capanema. (Reprodução)

Cerca de 100 torcedores estiveram na Vila Capanema. (Reprodução)

O jogo-treino do Paraná contra o São Joseense no último sábado (13) foi marcado pela invasão de aproximadamente 50 torcedores da Fúria Independente no gramado da Vila Capanema para cobrar melhores resultados no segundo turno da Série B.

Em entrevista à Banda B, o presidente Leonardo Oliveira comentou que os torcedores entraram no estádio somente para conversar com o elenco e o protesto foi muito mais pelo fato do Tricolor completar dez anos jogando a segunda divisão.

“Fui uma atividade fechada e a torcida achou por bem comparecer a Vila Capanema para ter a conversa com o elenco. Eles entraram, conversaram e foram embora. Eles foram muito mais pela condição do clube que está 10 anos na Série B”, disse o presidente. “É uma cobrança muito mais pela história do que pelo atual momento”, acrescentou.

Oliveira ainda afirmou que o clube não estava preparado para ter receber torcedores no estádio e por isso, não tinha seguranças para impedir a entrada. “Treinamento normal com portões fechados, mas em nenhum momento pensamos em reforço de segurança e não entendemos que o momento seria para isso. A situação foi até certo ponto surpreendente. Não estávamos preparados para receber pouco mais de 100 pessoas, mas houve uma conversa pacífica e esperamos que isso não volte a acontecer”, falou.

Para o presidente paranista, o fato deve ser como motivação para o clube voltar a vencer na Série B. “Temos que transformar esse tipo de acontecimento em motivação para ganhar o jogo. É isso que todos querem. Não adianta ficarmos lamentando e fazer o resultado contra o Brasil de Pelotas. O trabalho vem sendo bem feito”, declarou.

O Paraná tem média de público de somente 2.795 torcedores e aproximadamente 1.500 sócios em dia. Para tentar encher a Vila Capanema nas próximas partidas, o mandatário prometeu mudar a política de ingressos para deixar mais atrativo aos torcedores. “Esse momento de união é importantíssimo e se não tiver união, dificilmente voltaremos a Série A. Teremos uma mudança na política de ingressos, isso vai acontecer e o momento é de acreditar”, finalizou.