Por Guilherme Coimbra com informações de Monique Vilela

Vitor Feijão rompeu o ligamento e ficará seis meses afastado (Geraldo Bubniak)

Pouco mais de uma semana depois de ter sofrido uma grave lesão no joelho esquerdo, em jogo contra o PSTC, no último dia 19, pelo Campeonato Paranaense, o atacante Vitor Feijão passará por cirurgia, nesta quinta-feira (2), para dar início à recuperação, que vai durar por volta de seis meses. Na véspera do processo cirúrgico, o jogador relembrou o lance que se machucou, no Ubirajara Medeiros, em Cornélio Procópio, e agora foca no tratamento para o retorno ao futebol.

Gramado bem irregular. No momento do lance, eu fui mudar de direção e acabei pisando em buraco, em falso, e só senti a fisgada. Na hora achei que não ia ser nada, mas tentei voltar e estava com muita dor. Nesse momento eu não esperava, estava feliz, conseguindo ajudar meus companheiros. Mas enfim, agora é bola para frente, recuperar, fazer a cirurgia e voltar o quanto antes”, contou Vitor Feijão em entrevista à Banda B.

Com o ligamento cruzado do joelho esquerdo e ficará cerca de seis meses afastado dos gramados. “Eu fiquei muito chateado. A primeira coisa que aconteceu foi passar um filme na cabeça, pois nunca tive nenhuma lesão assim. Está sendo difícil aceitar, mas agora é bola para frente e pensar no que possa vir. O que passou, já era”, disse.

O atacante agradeceu o zelo da comissão técnica paranista e dos companheiros de equipe no momento difícil da lesão, principalmente por parte do técnico Wagner Lopes. “Estão tendo bastante atenção comigo. O Wagner [Lopes], o Sandro [Rosa], a comissão toda. Os jogadores também me apoiaram bastante. No hotel, quando eu tive a notícia, todo mundo foi no meu quarto para me dar apoio. Isso me ajudou bastante. Enfim, sou grato a ele [técnico Wagner Lopes] e espero ainda voltar e poder ajudar a equipe”, reconheceu Feijão.

Caminhando com dificuldade, Vitor Feijão será submetido a cirurgia no joelho esquerdo nesta quinta-feira (2), dando início ao processo de reabilitação. “Está bem. Desinchou e eu não sinto dor, mas não tenho equilíbrio e firmeza. Ainda tenho medo”, finalizou.

Confira a entrevista exclusiva de Vitor Feijão: