Por Rodrigo Dornelles com informações de Monique Vilela

Vitória paranista na Vila Capanema, ao lado do torcedor. A primeira vitória do técnico Marcelo Martelotte no comando da equipe. Um placar magro, mas que valeu muito para o time paranista. Em um jogo que o Paraná não levou grandes sustos, o treinador comemorou o triunfo e destacou a organização da equipe.

Conseguindo sua primeira vitória no comando do time, Marcelo Martelotte ressaltou o bom trabalho defensivo da equipe. “Sofremos pouco na parte defensiva. Demos poucas chances, mesmo o adversário tendo jogado bem adiantado. Tivemos chances de definir a partida, que poderiam ter nos dado uma vitória mais tranquila, mas o importante era vencer. Volto a frisar a organização da equipe, que mostrou que pode evoluir e conseguir coisas maiores”, comentou o treinador.

Martelotte elogiou Lúcio Flávio. (Monique Vilela/ Banda B)

Martelotte elogiou Lúcio Flávio. (Monique Vilela/ Banda B)

Um dos destaques da partida, mesmo que não tem marcado o gol da vitória, foi o atacante Lúcio Flávio, que serviu Robson no único gol do jogo. E o comandante exaltou o trabalho do jogador, bastante cobrado pela falta de gols. “O atacante sempre necessita de um rendimento da equipe, não decide sozinho. Hoje ele (Lúcio Flávio) teve uma participação fundamental no jogo. Segurou os zagueiros, participou do gol. Ele tem uma participação importante, a gente sabe que o centroavante tem pressão por gols. Confio em todos os jogadores da equipe”, disse Marcelo Martelotte.

Quem também mereceu elogios do técnico foi a dupla de volantes Leandro Silva e Basso. Zagueiros de origem, os dois se estabelecem na posição e Martelotte avalia a atuação como positiva novamente. “O Leandro mais experiente, por isso consegue superar a falta de entrosamento. O Basso com muito vigor físico, com condição de cobrir um setor do campo até maior que o normal. Funcionou bem esses dois jogadores, tanto em Maceió, quanto nessa partida. O entrosamento virá nesse momento mais pela sequência de jogos. Mais pra frente, quanto tivermos uma semana para trabalhar, aí dar um salto melhor”, projetou o comandante.

Na próxima rodada, a equipe tem uma pedreira pela frente, encarando o Vasco, fora de casa, na terça-feira (28). O treinador paranista sabe da dificuldade que irá encontrar em São Januário. “Esperamos uma partida diferente, o Vasco tem uma característica de posse de bola, de toques pelo chão. A cada adversário surge uma dificuldade diferente e terça-feira contra o Vasco a gente sabe o tamanho da dificuldade”, afirmou Marcelo Martelotte.

E para encarar o Gigante da Colina, líder da Série B, Martelotte espera contar com reforços vindos do departamento médico. Segundo o atleta, Rafael Carioca é o mais próximo de voltar a ficar à disposição. “Tem uma chance mais concreta de contar com Rafael Carioca, e outra ainda precisando de avaliação de Nadson e Lucas Otávio no sábado. Lógico que esses jogadores, quando voltam de lesões musculares, tem que esperar dia a dia. Nadson e Lucas Otávio não voltaram ainda a trabalhar com bola, o Carioca já evoluiu bem, trabalha a parte técnica com o grupo e tem maior chance de contar com ele no Rio de Janeiro” contou o técnico.