Por Pedro Melo com informações de Monique Vilela

Marcelo Martelotte conseguiu o acesso para a Série A com o Santa Cruz no ano passado. (Monique Vilela/Banda B)

Marcelo Martelotte conseguiu o acesso para a Série A com o Santa Cruz no ano passado. (Monique Vilela/Banda B)

Agora está confirmado: Marcelo Martelotte é o novo técnico do Paraná. Responsável pelo acesso do Santa Cruz no ano passado, o treinador relevou que foi procurado e apresentado exatamente nos mesmos dias do ano passado, mas deixa a superstição de lado e acredita na força do elenco para ficar entre os quatro melhores da Série B novamente.

Em relação ao seu antigo trabalho, o técnico chega ao Tricolor em um melhor momento já que o Santa Cruz estava na zona de rebaixamento, enquanto, o time paranista está no meio da tabela de classificação e a apenas três pontos do G4.

“Aceitei o contrato no mesmo dia, fui apresentado no mesmo dia que no Santa Cruz e essa é a única superstição. É um elenco diferente e é lógico que queremos que a história se repita para termos um time vencedor. O Paraná está numa situação melhor do que encontrei o Santa Cruz e essa é uma motivação ainda maior para fazer um trabalho ainda melhor do que o do ano passado”, contou Martelotte.

A última vez que o Tricolor esteve na primeira divisão foi em 2007, quando o comandante estava no clube como auxiliar técnico. Entretanto, Martelotte prefere não fazer qualquer comparação já que o elenco completamente diferente, mas admite que o caminho será longe para atingir o objetivo. “Santa Cruz estava 10 anos fora da Série A e não poderia trazer para o grupo que o time estava há tanto tempo na Série A. A gente espera que nessa temporada possamos fazer diferente principalmente em termos de resultado e para isso, temos uma caminhada longa”, disse.

Em relação a contratação de novos jogadores, o treinador afirmou que vai primeiramente observar todo o elenco antes de pedir qualquer contratação, mas ressaltou que a qualidade dos jogadores foi um dos motivos que o fez aceitar o convite do Paraná.

“Não apenas de minha parte, mas claro que cabe ao técnico avaliar o seu papel. Chego para observar o grupo que nós temos e indicar a necessidade de contratações. Essa é uma das funções do técnico. Em um primeiro momento, vou observar o nosso elenco, a qualidade dos nossos jogadores e a princípio me agradou o convite porque esse elenco é capaz de conseguir o acesso”, falou o treinador.

Já o superintendente de futebol, Hélcio Alisk, também preponderou que Martelotte deve conhecer o elenco para tomar qualquer decisão, entretanto, caso haja alguma necessidade, o clube vai no mercado para reforçar o grupo. “O importante é ele [Marcelo Martelotte] com o passar dos treinamentos ele vai conhecer mais o grupo. Temos que ter calma nesse momento e estarmos atentos a necessidade. O mercado não oferece muitas opções, as opções podem esbarrar na questão financeira, mas entendemos que temos um bom elenco. Se houver necessidade, vamos estar sempre atentos, a influência que tenho em alguns clubes e se tiver nosso alcance, vamos buscar [reforços]. Nesse momento vão passar confiança e moral para os jogadores que estão aqui”, destacou.

O novo comandante quase não teve nenhum contato com o novo elenco, mas já estará no banco de reservas na partida contra a Luverdense nesta sexta-feira (17), às 21h, na Vila Capanema.