O Paraná vive a realidade de atraso de salários há alguns anos, desde que caiu para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Neste ano de 2012, parecia que tudo estava bem nos bastidores, mas nesta terça-feira (09), os jogadores divulgaram uma carta sobre este assunto.

Após a divulgação da carta, o 2º vice-presidente do clube, Luís Carlos Casagrande, procurou a imprensa para esclarecer a situação. “São dois meses de salários atrasados, agosto e setembro, e estamos buscando condições para acertar tudo isso”, garantiu.“Nós não vamos mudar o planejamento do clube e vamos continuar trabalhando, buscando os recursos e colocar os salários em dia”, completou.

Segundo Casinha, o presidente do clube, Rubens Bohlen e o superintendente Celso Bittencourt foram para o Rio de Janeiro para buscar recursos e fazer os pagamentos ao elenco.

A carta, que foi publicada no começo da tarde desta terça-feira, foi assinada por vários jogadores.

Confira a nota divulgada após o atraso de mais de 2 meses:

“Os profissionais do Paraná Clube informam por meio desta, aos meios de comunicação e torcedores do clube, a real situação em que os funcionários e atletas se encontram na presente data.

Estamos com os vencimentos mensais em atraso por 2 meses e 10 dias (agosto e setembro). Tendo premiações prometidas e não cumpridas. Informamos ainda que os atletas remanescentes de 2011, bem como funcionários, ainda não tiveram seus 13º salários e férias daquele ano, quitados até a presente data.

Temos a informar ainda sobre os atletas das Categorias de Base que sobem para o elenco profissional com 8 meses de salários atrasados.

Esclarecemos ainda, que um dos motivos que levaram o técnico Ricardinho a deixar o clube, foi a falta do compromisso financeiro que se estende desde o início do ano.

Também enfrentamos dificuldades com relação aos campos de treinamentos, pois hoje não temos nenhum funcionário para prestar serviços de manutenção nos gramados. No setor de limpeza e outros serviços gerais, a situação é precária pelo fato de o clube não conseguir contratar pessoas para os serviços.

Nós atletas, sempre profissionais, nunca deixamos de cumprir nossos deveres de treinamentos, concentrações, viagens e jogos. Sempre honramos essa camisa mesmo com toda essa dificuldade.

Hoje, 09 de outubro, tornamos público a nossa dificuldade em cumprir nossos deveres, como aluguel, escola, contas diversas e até mesmo a alimentação de nossos familiares, pois somos provedores de renda e estamos sem respaldo.”