Por João Pedro Alves
Fotos de Monique Vilela

O Campeonato Paranaense tem um novo líder – ao menos até que os outros dez times entrem em campo. No jogo que abriu os trabalhos da 8ª rodada, Paraná e Rio Branco tinham chances de assumir a ponta definitiva da tabela em caso de vitória na noite deste sábado (22) na Vila Capanema. Ninguém levou os três pontos, mas o empate em 1 a 1 foi suficiente para o Leão da Estradinha descer a serra na primeira colocação de forma “interina”.

Longe da liderança mas dentro do G8, agora o Paraná enfrenta o Londrina pela “rodada de carnaval”, no próximo sábado (1), no estádio do Café. O Rio Branco volta a campo antes, na quinta-feira (27), quando recebe o Cianorte no Gigante do Itiberê, em Paranaguá.

Ouça o gol do Paraná narrado por Paulo Sérgio Debski na Banda B:

0041 – CAMP PARANAENSE – PARANA X RIO BRANCO – 1 GOL GEANCARLOS – 22-02 PAULINHO

Domínio paranista sem gols é punido com rugido do Leão da Estradinha

O jogo que abriu a 8ª rodada do Paranaense não colocou frente a frente apenas dois times que, em caso de vitória, dormiriam na liderança. Paraná e Rio Branco tinham mais em comum: o fato de serem formados por vários atletas da Amaral Sports. Consequência ou não dessas coincidências, o duelo começou igual e marcado pela disputa no centro do gramado da Vila Capanema.

Mas logo o Tricolor usou o fator mando de campo como diferencial e cresceu para cima da sensação do litoral. A posse de bola era praticamente toda paranista e ela era valorizada com a troca de passes ofensivos na intermediária parnanguara. Um grande – e grave – defeito apresentado pelos comandados de Milton Mendes era a falta de criatividade que impediu que o domínio fosse transformado em gol.

Essa superioridade paranista só tinha uma pausa quando o Leão da Estradinha apostava nos contragolpes pelas laterais. Essa era a proposta que o próprio técnico Netinho havia adiantado que seria adotada antes da bola rolar. E deu certo, chegando ao gol de abertura do placar aos 35 minutos. Ele saiu dos pés de Júnior Capixaba, que aproveitou o rebote de Marcos em uma boa pontada de Fumaça, com direito a pedaladas para cima da marcação, e só empurrou para dentro.

O futebol foi cruel e puniu o Paraná, que foi melhor mas não soube aproveitar isso a seu favor. Cruel ou justo, já que o esporte bretão se faz de gols e não de tempo de bola no pé. O time da Vila aprendeu isso da pior maneira. Nos últimos minutos, ainda foi para cima e criou algumas chances, com boas finalizações de Cambará e Paulinho Oliveira que pararam no ex-paranista Thiago Rodrigues.

Postura ofensiva continua e Tricolor chega ao empate

Se quando o placar estava fechado o Paraná já pressionava, perdendo, então, essa situação se agravou. O início de segundo tempo tricolor foi de ainda mais domínio ofensivo que na maior parte da primeira etapa. Mas ainda faltava mostrar mais inspiração para criar novos perigos ao goleiro adversário. Poderia ter sido em um pênalti em cima de Lúcio Flávio não marcado, o primeiro lance “diferente” após o intervalo.

Mesmo que criativamente não oferecesse grandes riscos, o Tricolor acabou chegando ao empate. Aconteceu aos 14 minutos, quando em seu primeiro toque na bola Paulinho cruzou da direita na cabeça de Giancarlo, que testou para as redes. O gol não mudou apenas o placar, mas também o panorama da partida. Antes contido, o Rio Branco passou a sair mais para o ataque em busca dos três pontos.

A consequência do empate foi um jogo aberto e bastante movimentado para os pouco mais de 1.600 pagantes. Era ataque contra ataque, os times precisavam se arriscar se quisessem voltar a balançar o barbante e chegar à ponta da tabela do Paranaense. A pressão paranista era mais forte, mas foi o Rio Branco em uma cabeçada de Anderson Rosa que explodiu no travessão que ficou mais perto do segundo gol.

Os minutos finais reservaram tensão na Vila Capanema nessa busca pela vitória. Tanto que o técnico Netinho até passou mal no banco de reservas, sentindo dores no peito, e teve que ser atendido pelos médicos. Dentro de campo, porém, os times não conseguiram mais criar oportunidades de movimentar o placar e ele terminou mesmo em 1 a 1 – resultado que deu a liderança interina ao Rio Branco.

FICHA TÉCNICA
PARANÁ CLUBE 1 X 1 RIO BRANCO

Local: Estádio Durival Britto e Silva, em Curitiba (PR).
Data: 22 de fevereiro de 2014, sábado.
Horário: 18h30.

Paraná: Marcos; Toty (Júlio César), Brinner, Júnior Lopes e Breno Lopes; Cambará, Ricardo Conceição (Paulinho), Paulinho Oliveira, Lúcio Flávio (Keno) e Fernando Gabriel; Giancarlo.
Técnico: Milton Mendes.

Rio Branco: Thiago Rodrigues; James (Lisa), Cris, Anderson Rosa e Júnior Capixaba; Duda, Vinícius Gaúcho, Ricardinho (Salatiel), Bismarck e Rafael Chorão; Jonatha Fumaça.
Técnico: Netinho.

Público pagante: 1.623 pessoas.
Público total: 2.335 pessoas.
Renda: R$ 24.695,00.

Cartões amarelos: Giancarlo, Júnior Lopes, Paulinho Oliveira, Toty, Paulinho (PRC). Duda, Júnior Capixaba (RBC).

Gols: Júnior Capixaba (RBC), aos 35 minutos do primeiro tempo. Giancarlo (PRC), aos 14 minutos do segundo tempo.