Na última rodada da Série B, após ver o Paraná empatar sem gols com o úlitmo colocado da competição, Duque de Caxias, o zagueiro Cris protagonizou declarações que mexeram com o ambiente paranista, insinuando falta de vontade dos companheiros de time. A partir delas é que a diretoria tricolor definiu uma espécie de lei da mordaça: nenhum jogador do clube está autorizado a falar com a imprensa, pelo menos até a próxima partida do Tricolor, contra o ASA, nesta sexta (7), na Vila Capanema.

Desde o início da temporada, as declarações polêmicas costumam assombrar o ambiente do Paraná Clube. Primeiro com o técnico Roberto Cavalo, quando o time ainda estava pressionado em fugir da zona de rebaixamento do Campeonato Paranaense. O técnico desabafou e revelou a relação conturbada que tinha com o vice-presidente de futebol do clube, Paulo César Silva. Acabou demitido.

Durante as 14 rodadas que permaneceu no G4 a calmaria pareceu presença constante no elenco, porém, mais uma vez, a tranquilidade se esvaiu quando o time começou a protagonizar uma verdadeira queda livre na Série B, no segundo turno. Irritado após a derrtota para o Salgueiro, vice-lanterna da Segundona, foi Paulo César Silva quem soltou o verbo. Também terminou afastado do grupo tricolor e agora cumpre funções administrativas no clube.