Por Esporte Banda B

Tubarão teve melhor desempenho em 2016 e receberá a mais que o Paraná nas cotas (Wellington Ferrugem)

A mudança nos moldes da divisão de cotas será uma das novidades da Série B do Campeonato Brasileiro neste ano. Com um modelo semelhante ao da Premier League, a liga inglesa de futebol, as verbas de televisão não serão pagas aos clubes pela tradição ou torcida, e sim pelo desempenho no ano interior. Com R$ 5,6 milhões, o Londrina receberá mais que o Paraná (R$ 5,2 milhões) no rateio.

Diferente da elite do Brasileirão, que define as cotas através de fatores como tradição, importância ou número de torcedores, com clubes de maior torcida, como Flamengo e Corinthians, ganhando mais que os outros, a Série B adotará uma medida de rateio semelhante ao do futebol inglês.

Em conselho técnico realizado na última terça-feira (21), na sede da CBF, no Rio de Janeiro, os clubes aprovaram o novo sistema, que fará uma nova divisão nas cotas de televisionamento da Série B: 60% divididos de forma igualitária e 40% levando em conta o que aconteceu na última temporada.

Com isso, o Internacional será o clube que vai receber o maior montante: R$ 60 milhões. Depois do Colorado, aparece o Goiás, com contrato antigo de três anos e que também receberá valor de Série A: R$ 35 milhões.

A divisão através do desempenho na competição na última temporada divergirá o valor recebido pelas equipes paranaenses na competição. Em 2016, Paraná e Londrina embolsaram R$ 5 milhões de cotas. Entre os primeiros da Série B e brigando pelo acesso até as últimas rodadas, o Tubarão passará a receber R$ 5,6 milhões, enquanto o Tricolor vai ganhar R$ 5,2 milhões.

A reunião na CBF definiu também a tabela da competição, que terá início nos dias 12 e 13 de maio. O Paraná estreia fora de casa contra o ABC-RN, enquanto o Londrina recebe o Internacional.