A situação dos rebaixados do Campeonato Paranaense vai ser novamente colocada à prova, nesta quinta-feira (22), quando o Caso Rio Branco volta à pauta do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR). Franco interessado no caso, o Paraná também está envolvido na trama já que, rebaixado junto com o Cascavel, o clube pede que o time parnanguara seja punido com a perda de pontos por suposta escalação de jogador irregular.

Ainda que o processo, que já passou pelas mãos dos auditores do estado, tenha voltado a ser julgado pelo TJD-PR, a tendência é de que a decisão final seja tomada no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro. “A decisão pode ser recorrida. As partes podem acatar a decisão e não recorrerem, mas acho difícil que isto aconteça”, apontou o advogado do Paraná Clube, Alessandro Kishino ao Paraná Online.

Caso seja punido, o Leão da Estradinha pode perder até 22 pontos, o que decretaria automaticamente o seu rebaixamento para a Divisão de Acesso no Paranaense, salvando o Tricolor da degola.

O que muda no novo julgamento

A primeira vez que o processo passou pelo auditores do TJD, o Paraná Clube foi impedido de falar como terceiro interessado no caso. No STJD, o interesse do Tricolor foi aprovado e o julgamento anulado para que o time da Vila pudesse ser inserido no caso. Nos dois últimos pareceres, a justiça desportiva foi favorável ao Rio Branco, definindo que a falha no registro nominal do atacante Adriano de Oliveira Santos não é passível de punição com perda de pontos.

“Como o julgamento foi anulado, ele volta ao zero para o TJD, em segunda instância, uma vez que já houve a primeira instância. Neste caso, o Paraná entra definitivamente como terceiro interessado, o que não ocorreu anteriormente. Agora tudo é novo, com os clubes tendo uma nova defesa e qualquer auditor podendo mudar seu voto”, explicou o presidente do TJD-PR, Peterson Morosko, também ao Paraná Online.