Divulgação
Afastado de suas atividades desde abril, Romani reassume e ainda não confirma candidatura às eleições

Quase seis meses depois de pedir afastamento das atividades administrativas do Paraná Clube, Aquilino Romani está de volta. Presidente quando o clube amargou em campo a queda para a Segunda Divisão do Paranaense, Romani estava licenciado do cargo e deu lugar a Aramis Tissot. Entretanto, como prometido quando pediu afastamento no dia 27 de abril, o mandatário reassume as obrigações de presidente do Tricolor.

“Eu to reassumindo o clube, isso já era acertado com o Aramis, que passa por problemas particulares com a mãe”, contou Romani à Banda B. Cotado como possível candidato de situação nas eleições para a presidência do clube que acontecem em dezembro, Romani despista. “Ainda não passam de especulações. Estamos conversando com as pessoas. Aintenção é termos um candidato única, em uma composição. Estamos trabalhando nesse sentido, mas não tem nada definido”, disse.

Romani, que acompanhou a delegação paranista até Goiás para a partida contra o Vila Nova, diz que ainda está confiante na possibilidade de acesso à Série A. Para ele, é importante terminar sua gestão sem surpresas. “Meu papel é terminar a gestão, já que existe uma possibilidade de voltar à Primeira Divisão. Minha preocupação é fechar bem esse ciclo”, finalizou Romani.