Por João Pedro Alves

As três derrotas consecutivas do Paraná no Campeonato Paranaense deram início a uma pressão por resultados imediatos e a protestos da torcida. O grande alvo é o técnico Milton Mendes, que ouviu pedidos para sua saída vindos da arquibancada e começou a balançar no cargo. Mas a diretoria tricolor vai contra o ditado que diz que “a voz do povo é a voz de deus” e banca a permanência do comandante na Vila Capanema.

(Foto: Divulgação/Paraná)

Diretoria afasta pressão e garante Milton Mendes no cargo (Foto: Divulgação/Paraná)

A posição oficial da cúpula paranista é de apoio total a Milton e ao trabalho que vem realizando desde o início do ano. O argumento para essa sustentação é de que o time vem jogando melhor que os adversários, apesar da falta de vitórias, e que isso prova que o planejamento está no caminho certo, não precisa de mudança.

O diretor executivo de futebol do clube, Roque Júnior, comentou sobre a situação e confirmou que, no momento, qualquer mexida está descartada. “Confiamos no trabalho que vem sendo realizado e, juntos, faremos o possível para reverter esta situação. O Milton Mendes tem o apoio de toda a diretoria para seguir firme no comando técnico da equipe”, disse ao site oficial do Paraná.

Nos bastidores, no entanto, vieram à tona posições distintas. Após o tropeço mais recente no estadual, na última sexta-feira contra o J.Malucelli, surgiram informações de que uma possível saída do treinador começava a ser cogitada e que um substituto já estava em pauta: Ricardinho, ex-meia que começou a carreira como técnico no próprio Paraná em 2012.

Ao menos até o próximo jogo, domingo (9) contra o Operário, Milton Mendes está garantido no cargo. Um novo insucesso em Ponta Grossa, porém, pode recolocar o treinador na berlinda.