Divulgação/Coritiba
Vanderlei segura pênalti batido por Kleber no Beira-Rio e garante empate em 1 a 1

Com o ataque que mais balançou as redes na temporada, é na meta que o Coritiba teve a sua mudança mais significativa no Brasileirão. Há nove rodadas, Vanderlei deixou o banco de reservas para assumir de vez a titularidade na meta coxa-branca. E não decepcionou. Com a missão de substituir o experiente Edson Bastos, o goleiro de 27 anos mantém, desde o dia 05 de setembro, quando o Coxa derrotou o Corinthians, uma média de apenas 1,08 gols sofridos por partida.

Mesmo que a campanha do Alviverde fora de casa ainda seja um problema, foi longe do Couto Pereira que Vanderlei teve seus momentos de glória. Ao todo, já são dois pênaltis defendidos: um batido por Kleber, do Internacional, e outro pelo atacante do Fluminense, Fred. Em campo adversário, foram quatro partidas e nove gols sofridos. “Eu creio que fiz boas partidas, mas a gente quer sempre mais. Queria que a equipe estivesse lá em cima, brigando pela Libertadores”, afirma o goleiro, que lamenta a falta de inspiração do ataque, nos jogos fora de casa.

Mesmo com boas apresentações, o Coxa ainda sofre para balançar as redes, em uma tônica que se repete nas partidas que o time faz fora dos limites de Curitiba. “A gente se apresentou bem fora de casa, mas tomamos gols bestas. A gente sabe que se vencer fora de casa, com a força da nossa torcida em casa, tudo é possível”, acredita, otimista em um bom resultado contra o São Paulo. “A gente entra sempre pra não tomar gols e, assim, eu tenho certeza que a gente vai acabar fazendo”, emenda.

Com 41 pontos, o Coxa está a nove do G5 e, se a Libertadores ficou um pouco mais distante após o empate sem gols com o Bahia, no Couto Pereira, o volante Willian acredita que motivação não falta para que o grupo siga perseguindo a classificação. “A gente acredita. Inclusive na festa do clube, os torcedores deram muito apoio. Essa motivação vem de fora do campo e vem de nós mesmos que temos um compromisso conosco”, garante o jogador.