Por Pedro Melo 

De acordo com TJD-PR, a culpa pela não realização do jogo foi da FPF e da arbitragem. (Renato Baldissera/Eleven/Estadão Conteúdo)

A procuradoria-geral do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) denunciou a Federação Paranaense de Futebol (FPF), a arbitragem e também os dirigentes de Atlético e Coritiba que entraram em campo antes do clássico Atletiba que foi cancelado instantes antes da bola rolar por divergências entre a FPF e os clubes em relação a profissionais de imprensa.

A FPF foi denunciada nos artigos 191 por não cumprir ou dificultar o cumprimento de obrigação legal; o artigo 206 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por atrasar o início da partida e também o artigo 203 por deixar de disputar a partida sem justa causa ou dar um motivo para a não realização. Caso receba condenação máxima, a multa pode passar de R$ 250 mil que seria repassado para o Hospital Pequeno Príncipe.

Já o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior, os assistentes Weber Felipe da Silva e Júlio César de Souza e o quarto árbitro Rafael Traci foram denunciados também no artigo 191 e mais no artigo 269 por recusar-se, sem justificativa, a iniciar a partida. A suspensão vai de 30 a 180 dias.

“A gente entendeu que a responsabilidade pelo cancelamento da partida foi culpa da Federação e do quarteto de arbitragem e fizemos a denúncia contra eles para quem sejam punidos nos artigos que fizemos na denúncia”, declarou o procurador-geral do TJD-PR, Gilson João Goulart Júnior, em entrevista à Banda B.

Todos os dirigentes que entraram em campo para reclamar com a arbitragem receberam denúncia pelo artigo 258-B por invadir o local destinado para arbitragem ou local de jogo e podem ser suspenso por até 180 dias. São eles: Luiz Sallim Emed (presidente do Atlético); Marcio Lara (vice-presidente do Atlético); Mauro Holzmann (diretor de marketing do Atlético); Regina Bortoli (diretora jurídica do Atlético); José Fernando de Macedo (vice-presidente do Coritiba); Ernestro Pedroso (diretor institucional do Coritiba); Rodrigo Weinhardt (diretor de comunicação do Coritiba); Alex Brasil (diretor de futebol do Coritiba); Rafael Zucon (supervisor de futebol do Coritiba).

De acordo com Goulart Júnior, o julgamento do caso deve acontecer apenas na semana após o Carnaval. “É feito o sorteio e vai ser feito para alguma comissão disciplinar julgar. Isso provavelmente só depois do Carnaval. As sessões são apenas de segunda à quarta e é possível que fique para dia 06, 07 ou 08”, explicou.