René Simões com Edu Brasil, setorista do Coritiba no ano do título DE 2007. (Guilherme Coimbra/Banda B)

René Simões tem em seu vasto currículo a inédita medalha de prata do futebol feminino dos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e também o sofrido acesso do Coritiba para a Série A em 2007. Mais de uma década depois, o treinador retornou ao estádio Couto Pereira, desta vez apenas como torcedor, e ressaltou que a prioridade para o Coxa nesta temporada tem que ser a segunda divisão.

Confira a entrevista:

Você veio ao estádio com a camisa de um ano memorável em sua carreira [título da Série B]. Qual o significado dela?

Não só a camisa, mas o gesto também. Quando vesti a camisa e vim para o Couto Pereira tentei me recordar quando vesti a camisa para torcedor. Nunca fiz isso. Torcia para o Fluminense por obrigação, era pobre e só meu tio tinha televisão. E ele dizia que só entrava quem torcia para o Fluminense. É a primeira vez que coloco uma camisa e sinto essa irresponsabilidade do torcedor. Não tenho nenhuma obrigação e só preciso torcer.

O que representa o retorno ao estádio Couto Pereira? Tem a vontade de treinar novamente? 

Já superei a nostalgia de estar comandado foi superada. Estou há um ano e meio que decidi sair de campo e tenho passado isso nas minhas palestras. As pessoas precisam se preparar para a aposentadoria. Eu tinha um amigo que se aposentou, passou seis meses saindo de terno e indo próximo do prédio onde trabalhava. Quando fiz 60 anos comecei a me preparar. É a hora dos mais jovens.

Sandro Forner foi teu jogador e agora tem uma missão como treinador parecida com a sua de colocar o Coritiba na Série A.

Não é só o Sandro que está iniciando, mas a direção também. Na minha época tinha uma direção no final de mandato. As duas coisas são confusas. O último ano é sempre político, precisei conversar com situação e oposição para pararem de fazerem política e não prejudicarem o Coritiba. Nesse momento tem uma direção que assumiu agora. Tive a oportunidade de escrever um artigo porque já no primeiro mês estavam cobrando resultados. A direção pelo menos tem um norte de ver os garotos e também organizar as finanças. Precisa ter pouco de paciência com isso e também com o treinador. O objetivo é novembro que é quando precisa estar de volta para a primeira divisão. Estadual é importante, mas fundamental é novembro. Importante passar algumas fases da Copa do Brasil para ajudar financeiramente e é uma competição muito difícil de se disputar.