Por Pedro Melo com informações de Greyson Assunção

Presidente do TJD-PR aguarda súmula do árbitro para saber de toda a história. (Divulgação/FPF)

O clássico Atletiba ficaria marcado pela partida transmitida exclusivamente pelos canais oficiais do YouTube de Atlético e Coritiba, mas instantes antes da bolar, uma ordem vinda da Federação Paranaense de Futebol (FPF) impediu o início da partida. Após 40 minutos de confusão na entrada do gramado, os dois times voltaram para o vestiário e a partida foi cancelada.

O desfecho do Atletiba agora irá para os tribunais e o presidente do TJD-PR, Leandro Souza Rosa, explicou que ainda vai esperar o relato da súmula do árbitro Paulo Roberto Alves Júnior para saber tudo que impediu o começo do clássico. “Os casos serão relatados na súmula e os motivos pelos quais o jogo não aconteceu. Existem motivos que vem à tona neste momento”, declarou.

“A súmula vai contar tudo e tenho encontrado informações desencontradas de repórteres não credenciados. Alguns não tinham credenciados e outros com credenciais apenas do clube, mas ainda não sabe o que exatamente aconteceu. Esse relatório vai para o tribunal e vai encaminhar para um procurador que vai denunciar, pedir mais informações e nada impede que os próprios clubes tomem as providências também”, complementou o presidente do TJD-PR.

Rosa ainda ressaltou que não é momento para falar de W.O. e destacou que o maior prejudicado pelo cancelamento do clássico foram os torcedores de Atlético e Coritiba. “A questão tem que ser avaliado pelo motivo que ainda não está claro e ainda não pode se falar em WO. A avaliação vai ser feita depois de forma serena. O objetivo é dar respaldo para o direito do torcedor que é o principal de um evento esportivo”, destacou.

De acordo com o presidente, os dois clubes também podem pedir para serem escutados no TJD-PR e afirmou que o tribunal dará espaço para todos os envolvidos. “Os clubes que sentiram prejudicados vão pedir providências e o TJD vai dar a oportunidade de manifestação para todo mundo para dar uma resposta”, finalizou.