Guilherme Dionizio/Futura Press
Última vitória do Verdão fora de casa completa quase dois meses: no dia 17 de agosto, o Alviverde bateu o Santos por 3 a 2

Em todo Campeonato Brasileiro, o desafio do Coritiba foi praticamente único: desencantar longe dos terrenos do Couto Pereira. Com modestas duas vitórias nas 14 partidas disputadas em campo adversário, o Alviverde decepciona.A última vitória fora de Curitiba foi contra o Santos, no dia 17 de agosto e, desde então, o Alviverde não sabe o que é ser indigesto como visitante.

Como fez na semana passada, o meia Tcheco voltou a destacar a importância de se vencer fora do Couto para seguir sonhando com a Libertadores. “É inevitável que a gente não tenha que somar pontos fora de casa se o nosso objetivo é a Libertadores”, ressaltou o meia. Das nove partidas que o Coritiba ainda tem pela frente, já excluindo o desafio de hoje diante do Fluminense, serão quatro jogos longe da torcida.

Em casa, o time enfrenta Bahia, América-MG, Flamengo, Santos e Avaí. Fora do Couto, serão adversários diretos na luta pelo topo: São Paulo, Palmeiras, Atlético-MG e Atlético-PR, no encerramento do campeonato. “É algo que tá nossa mão porque depende realmente da gente. A gente pode tirar essa diferença dos confrontos diretos”, afirmou Tcheco, otimista com as partidas que ainda restam. “A tabela de certa forma nos favorece, pela forma como os concorrentes disputam entre eles”, emendou.

Se considerados os 62 pontos necessários para a classificação, segundo os cálculos do técnico Marcelo Oliveira, o time ainda precisa superar os 73% de aproveitamento nos jogos que ainda faltam. O que, em pontos, significa a conquista de 22 dos 30 pontos que tem pela frente e, em jogos, sete vitórias e um empate. Missão difícil, sim, mas não impossível, segundo Tcheco. “É lógico que a gente já passou da conta e tá mais que atrasado esse nosso compromisso de vencer fora de casa”, finalizou o meia.