Por Pedro Melo 

Árbitro da partida foi denunciado no TJD-PR e pode ser suspenso por até seis meses. (Geraldo Bubniak/Futebolparanaense.net)

O árbitro Paulo Roberto Alves Júnior foi um dos denunciados pelo Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) por todo o problema que causou a suspensão do clássico Atletiba do último domingo (19). De acordo com o procurador-geral do TJD-PR, Gilson João Goulart Júnior, afirmou que o árbitro poderia ter dado início ao jogo.

“Deveria [ter dado início ao clássico]. Ele é autoridade no gramado e tinha totais condições de tomar essa decisão. Até por isso está sendo denunciado. Ainda que a Federação tivesse passando orientação para ele, ele como autoridade dentro de campo, tinha total autonomia para determinar que a partida fosse iniciada”, afirmou o procurador-geral do TJD, em entrevista à Banda B.

Paulo Roberto Alves Júnior, os assistentes Weber Felipe da Silva e Júlio César de Souza e o quarto árbitro Rafael Traci foram denunciados no artigo 191 por não cumprir ou dificultar o cumprimento de obrigação legal e mais no artigo 269 por recusar-se, sem justificativa, a iniciar a partida. A suspensão para cada um pode ser de até seis meses.

Quando os times já estavam posicionados para o início do clássico, Paulo Roberto Alves Júnior recebeu orientações de fora do gramado para não dar o apito inicial por problemas extracampo. Os profissionais da imprensa, que fariam a transmissão na internet, não estavam credenciados na FPF e os dirigentes da dupla Atletiba mantiveram o posicionamento de deixar os jornalistas na beira do gramado, o que acarretou na suspensão do clássico.