A apresentação do volante veio no melhor estilo. Gil estreou do jeito que ele mesmo gosta, jogando futebol, em campo na vitória sobre o Ceará. No início desta semana, ele bateu um papo com a imprensa presente no Centro de Treinamento da Graciosa, e conta que o projeto do Coritiba chamou a atenção para definir sua vinda para a capital paranaense.

“Demorou um pouco, mas eu estava bastante tranquilo, sabia que estava certo de acontecer, e foi da melhor maneira possível, com o resultado positivo da nossa equipe e eu pude fazer uma boa estreia”, avalia.

E ele precisou decalma até chegar o momento certo para começar. “O jogador quer jogar em qualquer momento. Mas eu estava com a cabeça tranquila porque os meus companheiros estavam me dando um respaldo, a diretoria e o treinador também”, garante o atleta que considera que fez uma boa apresentação. “Eu creio que é mais ou menos aquilo que todos viram, dali para um pouco mais. Eu estava um tempo já parado e acredito que foi um bom começo. Eu sou um volante que costumo marcar, mas também sobe para o jogo, chegando e finalizando”, emenda.

E depois de fazer sucesso no futebol paulista, ele espera também marcar sua passagem no alviverde paranaense com bons momentos. “Acho que o tempo eu fiquei em São Paulo eu pude fazer bons campeonatos, ótimos jogos e agora eu pretendo fazer uma história aqui no Coritiba”.

Mas isso, com tranquilidade e respeitando o grupo que veste a camisa alviverde. “Tem que respeitar o momento deles, tanto o Léo Gago, como o Willian, como o Donizete que está para voltar. Tem que respeitar o momento deles, e esperar que na hora certa eu creio que vai chegar a minha oportunidade e eu vou agarrar da melhor maneira possível”.

Mas a primeira impressão pra fazer história aqui já é boa. No tempo que esteve aqui, Gil já pode notar que “o projeto que tem com o time, a estrutura, é um time bastante estruturado. Tem um elenco maravilhoso, que quando a gente chega todos os jogadores acolhem bem. Então eu acho que isso foi o fundamental, junto com a diretoria e com a comissão técnica, foi fundamental para eu mudar para cá”, finaliza.