Eduardo Baptista. (Geraldo Bubniak/Estadão Conteúdo)

O técnico Eduardo Baptista considerou o empate em 1 a 1 do Coritiba com o Oeste justo, principalmente pelo desempenho ruim da equipe no primeiro tempo. Segundo o treinador, a equipe precisa ser mais constante durante as partidas para sair de campo com a vitória.

“A gente esperava buscar os três pontos, mas um ponto na Série B fora de casa fica bom até pela segunda parte do primeiro tempo. Acabou sendo justo”, declarou Baptista. “Tem que evoluir sempre. Quando colocamos um jogo que consideramos ideal, nós fomos bem. Nós criamos boas situações de triangulações e esse é o ideal. Temos que ser mais constantes e é um ponto importante para brigar no grupo da frente”, acrescentou.

De acordo com o site Footstats, o Coritiba teve aproveitamento de 85% de passes certos e errou 56 dos 378 tentados. Para o comandante, a quantidade de erros “assusta” e a evolução só vem com trabalho. “Assusta porque a gente busca dar essa tranquilidade. Colocamos a bola no chão durante o segundo tempo e as coisas aconteceram. A maioria das chances criadas pelo Oeste foi de bola que estava no nosso pé. Temos que consertar e trabalhar”, comentou.

Pela segunda partida consecutiva, um jogador que saiu do banco de reservas marcou o gol do Coritiba. Desta vez, foi o atacante Guilherme Parede. Baptista vê os reservas motivados para ganhar espaço e garante que ninguém tem espaço cativo na equipe.

“A gente fica contente porque o jogador que está no banco de reservas treina até mais. Já foi assim no jogo passado e aconteceu de novo. Os três que entraram foram importantes. Não tem time titular. Temos uma espinha dorsal, mas deixamos um espaço aberto”, finalizou o técnico.