Por João Pedro Alves e Osmar Antônio

O Coritiba bateu o Rio Branco por 2 a 1 na noite deste sábado (22) e chegou às semifinais do Campeonato Paranaense, mas a atuação ainda não foi a ideal. O time teve um primeiro tempo sonolento e sem empolgar no Couto Pereira para, apenas depois do intervalo, jogar aquilo que se esperava. A mudança que resultou na virada foi resultado de um “puxão de orelha” do técnico Dado Cavalcanti nos vestiários.

A melhora alviverde foi bastante elogiada pelo treinador em entrevista coletiva realizada ainda no estádio após a partida, mas não antes que aqueles 45 minutos iniciais fossem criticados por ele. “Falta mais tesão ao time. Não podemos entrar nessa partida da maneira que entramos. Fomos muito mal no primeiro tempo, entramos sonolentos”, apontou.

Após um primeiro tempo sem inspiração do Coxa, que resultou até mesmo no gol do Leão da Estradinha, houve a mudança. A que pôde ser vista pelo torcedor concretamente foi a entrada de Keirrison lá na frente, o que deu maior profundidade e uma referência à equipe. Mas a maior alteração não foi essa. “Acredito que muito mais de postura”, confirmou Dado.

O motivador disso foi a conversa do treinador com o elenco durante o intervalo. Apesar de ter ajudado, Dado ressaltou que não deveria ter precisado disso para que o time começasse a jogar. “O vestiário foi extremamente importante, mas foi desnecessário. Desnecessário pelo desgaste físico e emocional que tivemos no primeiro tempo para buscar o empate”, disse.

A mudança gerou a virada e a vitória por 2 a 1 que deu ao Coritiba a vantagem de poder decidir as semifinais do Paranaense novamente em casa. O adversário da próxima fase é o Maringá, que passou pelo Prudentópolis nas quartas de final. A decisão de quem será um dos finalistas do estadual começa no meio de semana, ainda sem data definida, no estádio Willie Davids, em Maringá.

Notícias relacionadas:

Com tempos distintos e show de Alex, Coxa vira sobre o Rio Branco e se garante nas semifinais