Valquir Aureliano
Time que aplicou a sonora goleada por 6 a 0 sobre o Palmeiras já não é o mesmo no Brasileirão

As lembranças da pré-temporada do Coritiba instigam. Não só porque o time ainda não se encontrou no Campeonato Brasileiro, como também pelo fato de o grupo ter perdido, por lesões, suspensões ou transferências, a base que deu certo no Paranaense e chegou à final da Copa do Brasil.No Campeonato Estadual, o técnico Marcelo Oliveira testou 28 atletas, mas na análise de cada jogador em campo fica fácil recordar os titulares: Edson Bastos; Eltinho, Pereira, Emerson e Jonas; Willian (Leandro Donizete), Léo Gago, Davi e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill. Todos com mais de 1000 minutos jogados pelo Paranaense 2011.

No Brasileirão, o número de atletas utilizados praticamente não se altera. A diferença fica por conta dos destaques: dos 30 jogadores testados até agora, apenas Edson Bastos, Emerson e Léo Gago ultrapassam os mil minutos jogados. Com as declarações da diretoria de que o grupo está fechado e que contratações estão praticamente descartadas, Marcelo Oliveira vai montando o time como pode e é na meia cancha que o treinador mais experimenta.

“Não podemos agora ter um ‘caça às bruxas’ diante de uma equipe que realmente tem qualidade para demonstrar dentro do Campeonato que é a nossa”, defende Tcheco, um dos dez atletas que já passaram pelo meio campo alviverde no Nacional. “Acho que é um momento de se aliar a nós para a gente dar um arranque em definitivo no Campeonato”, finaliza.

O Coritiba recebe o Atlético-MG no Couto Pereira no próximo domingo (14), às 16h, com transmissão da Banda B e narração de Fernando César.