Neste domingo, contra o Flamengo, o meia Paulo Baier atingiu uma marca histórica com a camisa do Atlético Paranaense: o centésimo jogo pelo clube. Paulo não começou a partida como titular e entrou em campo aos 39 minutos da etapa final, substituindo Madson. Como homenagem à marca, ele jogou com a camisa número 100, em alusão ao número de jogos pelo clube.

“Estou muito feliz em completar 100 jogos. Não é fácil nos dias de hoje, o futebol é muito dinâmico, os jogadores trocam de time a toda hora. Para mim é um motivo de orgulho, estou muito feliz, pena que não conseguimos o resultado. Infelizmente não conseguimos vencer, mas a tendência é que as coisas melhoram”, destacou o jogador.

Na entrevista coletiva após a partida, Baier revelou que durante a semana conversou com a comissão técnica, reconhecendo que não passava por um bom momento físico o que prejudicou o seu desempenho nas últimas rodadas. Por causa disso, ele disse que encarou com naturalidade a permanência no banco de reservas. “Não tem problema nenhum (ficar no banco de reservas), eu quero que o Atlético vença. Já comecei um trabalho de fortalecimento e creio que em duas semanas as coisas melhorem. A parte física é de suma importância neste momento. Desde que cheguei no Atlético sou um cara decisivo e eu cobro a mim mesmo”, afirmou Baier.

Paulo Baier chegou ao Atlético Paranaense em 2009 e já marcou 33 gols com a camisa rubro-negra. Desde que chegou, assumiu a responsabilidade de comandar o time dentro de campo, ganhando dois status: o de maestro da equipe e de ídolo da torcida atleticana.