Por Guilherme Coimbra com informações de Felipe Dalke

Autuori elogiou a postura das equipes em bater de frente com a FPF (Felipe Dalke/Banda B)

O Atletiba deste domingo (19) ficará marcado como o clássico que não aconteceu. Com o desentendimento dos dois clubes com a Federação Paranaense de Futebol por causa da transmissão da partida pela internet, o jogo acabou cancelado por decisão de Atlético e Coritiba. Em entrevista coletiva na Arena da Baixada, o técnico Paulo Autuori comentou sobre o ocorrido e elogiou a postura das instituições em não acatarem o pedido da FPF.

“Uma atitude arbitrária da Federação em relação a uma possibilidade de não credenciamento daqueles que estavam lá. Lembrando que a transmissão seria através da internet de forma gratuita, então não tem o mínimo de embasamento a proibição da Federação que forçou a não realização do jogo. Dentro disso, como profissionais, nós lamentamos. Essa é a realidade que toma conta do nosso futebol. Mas volto a frisar, tenho que parabenizar a coragem e a opinião estritamente pessoal. Acho que falta isso no Brasil e no futebol brasileiro, tomada de decisões corajosas em que as instituições são salvaguardadas”, afirmou Autuori em coletiva na Arena da Baixada.

O treinador se mostrou contente com a postura adotada pelo Furacão em não atender as exigências da Federação Paranaense de Futebol de retirar os profissionais de campo e não realizar a partida. “Particularmente, eu fico envaidecido de estar em uma instituição como o Clube Atlético Paranaense, pois precisa existir coragem para que a gente possa tomar os rumos dos acontecimentos em virtude da realidade que é o futebol brasileiro hoje”, declarou. “Fico satisfeito, pois é mais uma quebra de paradigma. Isso é fundamental”, concluiu.

Mais calmo que o habitual na coletiva, Paulo Autuori brincou com a situação, mas voltou a frisar a necessidade de coragem para que possam ser feitas mudanças na estrutura do futebol brasileiro.

“Até brinquei ali no vestiário, pois temos alguns profissionais de outros países aqui, dos Estados Unidos, Turquia e da Argentina. Eu falei para eles: ‘muito prazer, esse é o futebol brasileiro’. Como profissional, essa situação é lamentável. Isso ao mesmo tempo nos dá orgulho para todos aqueles que lutam pela melhora do esporte aqui no país, em ver que existem instituições e pessoas com força, coragem e ideias embasadas em excelência para mudarem os acontecimentos e os rumos do futebol. Sabem que sou crítico voraz em função do que se passa por aqui. Isso é mais uma chance que eu tenho para expressar de novo a minha visão daquilo que é o futebol brasileiro como um todo”, finalizou.