Sem vencer há cinco partidas, o Atlético retomou o único caminho capaz de tirar o time da zona de rebaixamento: o da vitória. E a recuperação não poderia ter acontecido em melhor estilo. Longe de sua torcida, o time se sentiu em casa e deu ao técnico Antônio Lopes a sua primeira vitória desde que voltou a ser treinador do Furacão. Ronaldinho Gaúcho bem que tentou, mas o destaque no triunfo atleticano por 2 a 1 sobre o Flamengo foi Guerrón.

A quinta vitória do rubro-negro paranaense no Brasileirão teve um gosto especial. Firme na marcação e preciso nos contra golpes, o Atlético ainda teve que jogar os minutos finais sem o equatoriano. “Senti que o astral do grupo cresceu. Vamos ter confiança e ficar conscientes de que podemos fazer boas partidas e colher boas vitórias”, disse o técnico. “Se continuar com essa postura, nós vamos ganhar e rapidamente sair dessa situação”, analisou.

E a missão de tirar o Furacão da zona da degola é, fundamentalmente, dos mais experientes do grupo. Pelo menos segundo a visão do treinador, que viu em Guerrón, pouco aproveitado pelos ex-técnicos Adílson Batista e Renato Gaúcho, uma espécie de termômetro para o restante do elenco.”Conheço o Guerrón desde a época da Seleção Equatoriana e da LDU. É um jogador que eu achava que tinha que jogar. Os atletas cascudos tem de resolver para a gente e o Guerrón está resolvendo”, afirmou o Delegado, destacando também o papel do jovemHéracles, autor do primeiro gol sobre o Flamengo e renegado pelos comandantes que passaram pelo Furacão em 2011.

Três das próximas quatro partidas do Atlético serão realizadas na Arena da Baixada, onde o time mantém uma campanha mais regular, com três vitórias, três derrotas e cinco empates nas 23 rodadas já disputadas do Brasileirão. O próximo adversário é o Figueirense, no domingo (18), às 16h, em casa.