Da Redação

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) negou na tarde desta sexta-feira (7) que a torcida organizada Ultras, do Atlético, esteja autorizada a entrar caracterizada na Vila Capanema no clássico de domingo contra o Paraná Clube pelo Campeonato Paranaense. A posição do órgão desmente informações que circularam nas redes sociais no final desta semana, que afirmam que houve a liberação por parte das autoridades.

Em nota, o MP-PR anunciou que a presença ou não dos torcedores uniformizados dependeria de um aval da Polícia Militar (PM), responsável pelo policiamento da partida. Qualquer que fosse a decisão, teria seu apoio. A definição levaria em conta a avaliação sobre as condições para garantir a segurança antes, durante e depois o evento.

A reportagem da Banda B entrou em contato com a PM e a assessoria de comunicação afirmou que não houve a liberação para que a Ultras ingresse no estádio caracterizada. A justificativa apresentada é de que a decisão tomada pelo próprio Ministério Público, de que as torcidas organizadas estão barradas, será cumprida.

A partida entre Paraná e Atlético, válida pela última rodada da fase de classificação do Paranaense, está marcada para as 16h de domingo na Vila Capanema.

Informações distorcidas

Segundo o Ministério Público, o esclarecimento se faz necessário pelas informações distorcidas que apareceram, dando conta que a participação da Ultras estava liberada. Na verdade, o que ocorreu foi uma consulta de integrantes da organizada à Promotoria sobre a existência de alguma restrição ao ingresso da torcida no estádio.

Na oportunidade, eles foram informados que, por parte do MP, não há qualquer impedimento, mas que a decisão sobre o assunto caberia aos órgãos de segurança envolvidos com policiamento do jogo.

O pedido de informações foi feito em função do Termo de Ajustamento de Conduta assinando, em 10 de dezembro passado, pelos diretores da torcida “Os Fanáticos”, também ligada ao Atlético, para que a organizada não compareça a eventos esportivos pelo prazo de seis meses. A punição foi imposta à torcida em função do confronto com torcedores do Vasco na Arena Joinville, em dezembro passado, no fechamento do Campeonato Brasileiro.