Nem a arbitragem polêmica de Francisco Nascimento no Pacaembu tirou o brilho de Neymar. É a ele que o Santos deve a goleada de 4 a 1 que aplicou sobre o Atlético. Autor único de todos os gols do Peixe no jogo, o atacante infernizou a defesa atleticana, que sofreu pela falta de tranquilidade. Experiente, Cleber Santana cometeu dois pênaltis e nem o gol olímpico de Paulo Baier foi suficiente para reerguer o time em campo. Com a sonora derrota, o Furacão é o 18º colocado e fica a dois pontos de deixar a zona de rebaixamento. Na próxima rodada, o time recebe o Atlético-GO na Arena da Baixada.

Santana comete pênalti no primeiro minuto de jogo

Menos de um minuto de jogo bastaram para que o sofrimento do Atlético tivesse início no Pacaembu. O ponteiro ainda não tinha dado uma volta completa quando Cleber Santana fez falta em Neymar dentro da área. O Santos teve um pênalti marcado a seu favor e bem convertido pelo atacante, aos 3. Em vantagem, o Peixe partiu pra cima e o Furacão demorou a se encontrar em campo. O problema ficou ainda maior quando Neymar se descobriu e deu início a uma de suas noites mais inspiradas no Campeonato Brasileiro.

Juntos, ele e Rentería aprontaram um verdadeiro samba na área atleticana, obrigando Renan Rocha a trabalhar durante toda a etapa inicial. Acuado, mas insistente, o Furacão teve uma boa chance na boa jogada de Paulo Baier e Nieto, mas o argentino desperdiçou diante do gol. Com todas as jogadas de ataque do Santos concentradas na direita, foi justamente desse lado que Neymar recebeu livre e chegou a fazer o segundo gol do Peixe no jogo, aos 42. A vantagem, porém, foi anulada após o árbitro entender que Allan Kardec, que não participou da jogada, mas estava no trajeto da bola, estava em posição irregular.

Defesa abre alas e Neymar toma conta

O segundo tempo começou quente como terminou o primeiro. A única diferença foi a postura mais ofensiva do Atlético, pelo menos nos primeiros minutos. A sorte do Furacão dava pinta de mudar quando, aos 6, o time conseguiu o empate na cobrança de escanteio caprichada de Paulo Baier. A bola foi desviada por Guerrón, e, na súmula, foi ao equatoriano que o árbitro deu os méritos do gol. E se na teoria o panorama do jogo começava a ficar positivo para o Furacão, a tranquilidade durou pouco.

De novo, Cleber Santana não segurou a mão e cometeu pênalti em Edu Dracena e, mais uma vez, Neymar estava lá para converter e fazer o segundo do Peixe, aos 9. Teve início o desespero atleticano em São Paulo. Apagada, a defesa rubro-negra abriu alas para Neymar e, livre, o jogador não precisou de esforço para fazer o seu terceiro, dois minutos depois.

Com o placar em 3 a 1, o Atlético virou espectador da partida. E contra o adversário entregue, Neymar brilhou ainda e uma vez mais. O atacante invadiu a área, desfilou dribles na zaga atleticana e se consagrou: marcou o quarto do Santos e o seu gol de número quatro na partida. Baier ainda carimbou a trave de Rafael, mas já era tarde para qualquer reação. O Atlético termina a rodada na 18ª colocação e, na próxima rodada, tem o Atlético-GO pela frente.