Por João Pedro Alves e Felipe Dutra

0064 – CAMP PARANAENSE – ATLETICO X MARINGÁ – 2 GOL NATAN – 06-03 – CAIO JR

Após a heroica vitória por 2 a 1 de virada sobre o Maringá, em jogo disputado noite desta quinta-feira (6) no Ecoestádio Janguito Malucelli, pela segunda vez no Paranaense teve jogador do Atlético saindo de campo chorando. Desta vez, porém, as lágrimas foram de felicidade do meia Nathan. A justificativa para tamanha emoção poderia ser apenas a forma a qual os três pontos foram conquistados, mas ainda teve mais coisa envolvida.

A começar pelo gol que ele marcou aos 31 minutos do segundo tempo, o do empate do Furacão (ouça no ícone acima). Foi o que deu início à reação rubro-negra. Foi seu primeiro gol como profissional da bola. “Time sub-23 também é profissional. Não tenho o que falar, é um momento único. Hoje foi muito emocionante. Me sinto honrado”, disparou a revelação atleticana e da Seleção Brasileira.

(Foto: Divulgação/Atlético)

Destaque na arrancada rubro-negra, Nathan balançou as redes pela primeira vez (Foto: Divulgação/Atlético)

Mas não parou por aí. O que ajudou a mostrar que aquele jogador agressivo dentro de campo não precisa manter a mesma banca fora dele foi o fator família. “Eu dedico este gol ao meu avô, que faz aniversário hoje (quinta-feira) e à minha mãe, que fará daqui a três dias (domingo)”, destacou Nathan, que também está próximo de soprar as velas por completar 18 anos na próxima quinta-feira (13).

Aproveitando os holofotes que recebeu após essa noite memorável, Nathan também aproveitou para desabafar. Em meio à alegria, ainda havia um espaço para uma resposta aos questionamentos que recebeu recentemente pela indefinição na renovação do contrato com o Atlético – o que causou sua queda do elenco da Libertadores para o sub-23.

“Tenho um sonho de ir para fora do país, todos os jogadores têm. Mas não me importo se fizer isso agora ou daqui três ou quatro anos”, afirmou, não negando que os euros e o glamour do Velho Continente o atraem. “Tenho mais um ano de contrato e visto essa camisa com amor. Meu pai e o Atlético me dão todo o suporte”, completou.

Sem prazo para deixar o CT do Caju, diferente do que chegou a ser especulado após o destaque que teve nas categorias de base do clube e da Seleção, Nathan segue ajudando o Atlético. Por enquanto, no sub-23. Depois de ser essencial à equipe de Petkovic nessas três vitórias seguidas no Paranaense, o próximo desafio é o clássico contra o Paraná, domingo (9), na Vila Capanema.

Notícias relacionadas:

No ‘apagar das luzes’, Atlético vira sobre o Maringá e fica próximo da classificação