Por Esporte Banda B

Petraglia criticou a ausência de sócios no Atlético. (Reprodução)

Petraglia criticou a ausência de sócios no Atlético. (Reprodução)

Os dirigentes e conselheiros do Atlético se reuniram, no CT do Caju, para decidir assuntos relacionados ao clube e aprovaram, por unanimidade, a Fundação do Clube Atlético Paranaense, a Funcap, mas um momento da reunião que deixou o presidente do Conselho Deliberativo, Mario Celso Petraglia, bastante insatisfeito foi em relação a quantidade de sócios.

Petraglia explicou que dos objetivos propostos durante a eleição do ano passado, a quantidade de associados é que a mais preocupa e declarou que caso o Rubro-Negro tivesse 40 mil sócios, poderia continuar sonhando em ser campeão do mundo.”Não podemos pretender ser campeões do mundo com 20 mil sócios. De todo nosso projeto ainda não se concretizou a venda do naming rights [da Arena da Baixada] e o aumento de sócios”, comentou, durante a reunião.

O dirigente afirmou estar cético em relação ao aumento de sócios e criticou aqueles que cancelam o associado na “primeira crise” do clube. “O que falhou até agora foram os 40 mil sócios. Baixamos de R$ 250,00 para R$ 150,00 e mesmo assim nós não conseguimos. Estou cético porque já tivemos mais de 80 mil sócios com CPFs diferentes e temos sete mil fiéis, acima de cinco anos. Cara começa a pagar e na primeira crise ele para a pagar”, disse.

De acordo com Petraglia, a expectativa da diretoria atleticana era ter 40 mil sócios logo após a Copa do Mundo e ressaltou que se a meta tivesse sido cumprida, o Rubro-Negro teria entre seis e sete jogadores de “altíssimo nível”. “Temos certeza que vamos vender todas as cotas que a gente imaginou e programou. Tenho dúvida apenas dos 40 mil sócios porque todos nós, da diretoria, apostávamos que no pós-Copa chegaríamos aos 40 mil sócios e nos daria condições de contratar seis, sete jogadores de altíssimo nível. Os 20 mil sócios mal nos ajuda a ter o equilíbrio de ter o nível que temos hoje e não conseguimos o plus ainda”, falou.

Funcap aprovada

Um dos assuntos da reunião foi a Funcap, que foi aprovada por unanimidade pelos conselheiros do clube. Com a aprovação, o clube passa a ter, assim que colocada na prática, isenções tributárias e pode receber doações de financiamento coletivo e de pessoas físicas.

Entretanto, o Atlético não pode transferir a Arena da Baixada e o CT do Caju para a Funcap por decisão do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). Segundo o TCE-PR, a CAP S/A (sociedade de propósito específico criada pelo Atlético para a reforma de seu estádio) tem dívidas que somam aproximadamente R$ 292 milhões de financiamentos obtidos junto ao Governo do Estado, por meio da Fomento Paraná, e à Prefeitura de Curitiba.

Durante o encontro, Petraglia pediu a colaboração dos conselheiros e lamentou o fato de duvidarem de sua honestidade. “Essa dúvida sobre liminar e desconfiança. Já demos em 20 anos provas absolutas, materiais de realizações que já jamais prejudicamos esse clube. Nunca compramos jogadores para pagar 40% de comissões, acima das nossas condições de pagamento. Todos os bens que envolvemos na atividade do Atlético são propriedade, os jogadores que compramos geram resultado para o Atlético. Realmente me deixa muito triste, julguem depois e não pressuponham achando que será isso e aguardem. Tenham um pouco de inteligência e depois façam as críticas que quiserem”, destacou.