Com a obrigação de vencer pelo menos seis dos dez jogos que ainda restam para tentar a permanência na elite do futebol nacional, o Atlético traz de Florianópolis as lições de quem não atuou bem contra um adversário teoricamente mais fragilizado no campeonato. Em uma atuação tímida no primeiro tempo e praticamente nula no segundo, o Furacão levou os três gols que marcaram a 13ª derrota no Brasileirão, para o Avaí.

Para o técnico Antônio Lopes, a sorte do time foi não ter levado uma goleada ainda maior do Leão da Ilha. Já para o mandatário e agora também diretor de futebol do clube, Marcos Malucelli, o time não pode se abster da responsabilidade dentro de campo. “Eu não tenho dúvida de que atuamos mal e merecemos esse resultado adverso”, destacou. “A culpa é de quem joga. Eles reconheceram que erraram. Como sempre, se diz que no jogo seguinte os erros não vão se repetir”, disse, um tanto cético após a partida.

“Não tem o que fazer. O que nós da diretoria podemos fazer, já estamos fazendo, que é levantar o moral dos jogadores, para que eles possam se superar contra o Vasco”, avisou Malucelli. “Hoje foi uma lástimas, mas não significa que na quinta-feira também será”, avaliou.

Sem levar praticamente nenhum perigo ao goleiro Felipe durante os 90 minutos de jogo, o meio campo de Paulo Baier e Marcinho ficou devendo em objetividade ao lançar a bola ao frágil ataque de Nieto. “Nós temos qualidade técnica e individual para dar mais do que demos hoje”, deu o recado Malucelli.