O técnico Antônio Lopes não gostou nem um pouco do empate em 0 a 0 entre Atlético e Figueirense, na tarde deste domingo, em plena Arena da Baixada. Para o comandante rubro-negro, a equipe foi muito mal na parte técnica e só cresceu de produção quando Paulo Baier entrou em campo, no intervalo de jogo.

“Eles se doaram, correram, procuraram o gol. Mas nós erramos muito na parte técnica. Criamos mais com a entrada do Paulo Baier, algumas oportunidades boas. Mas o time estava nervoso e isso contribuiu para a nossa atuação ruim”, disse Antônio Lopes, elogiando o retorno do maestro rubro-negro, depois de dois meses entregue ao departamento médico.

Para o treinador, a entrada de Paulo Baier deu mais organização ao meio-campo atleticano.”Não fomos bem na nossa parte ofensiva no primeiro tempo, faltou criatividade. Quando o Paulo entrou, o time foi outro e nós tivemos oportunidades, tocamos melhor a bola. Melhoramos no segundo tempo, o Nieto atrapalhou a zaga do adversário, mas o gol não veio”, completou.

Lopes também creditou a queda de produção do Atlético às ausências de Marcinho e Marcelo Oliveira, ambos com lesões musculares.”As saídas do Marcinho e do Marcelo contribuíram para a queda de produção da equipe. Esses problemas influenciaram na nossa atuação sim”, resumiu o treinador.

Contratações

Restando poucos dias para a inscrição de jogadores ainda para o Brasileirão 2011, Lopes revelou que a diretoria segue atrás de atletas para reforçar o Furacão, principalmente bons atacantes, que é a principal carência da equipe rubro-negra neste momento.

“A diretoria tem tentado, o Alfredo está se virando para trazer atacantes. Tava quase certa a aquisição do Zé Carlos, do Criciúma, mas houve uma reviravolta e no fim a negociação não deu certo. Mas está difícil contratar bons jogadores”, finalizou Antônio Lopes.