Assim como os jogadores do Atlético, o técnico Antônio Lopes também reclamou da arbitragem de Marcelo de Lima Henrique (RJ) no empate desta noite em 2 a 2 com o Palmeiras, na Arena da Baixada. Para o treinador, o empate não ficou de bom tamanho, porque o resultado ideal seria uma vitória em casa.

“Nós poderíamos ter vencido o Palmeiras. Mas o juiz expulsou o Cléber Santana em uma jogada normal, ele não merecia ter recebido o vermelho. No começo do jogo, o Kléber deu uma cotovelada no Deivid e tinha que ter sido expulso. No pênalti, o Marcos também devia ter sido expulso, porque eleera o último homem e o Guerrón ia em diração ao gol. Nós fomos muito prejudicados pela arbitragem. O árbitro foi muito infeliz, muito mal hoje, falhou na parte disciplinar. Mas paciência, eu conheço o Marcelo e sei que ele tem caráter, mas hoje foi mal”, afirmou Lopes.

Sobre a partida em si, Lopes disse que gostou da atuação de Guerrón e do sistema defensivo de sua equipe, mas admitiu que o Atlético não começou bem no jogo.”Não começamos bem na partida, o time estava muito nervoso, não conseguia colocar a bola no chão. Depois nos ajustamos um pouco e começamos a melhorar, principalmente com a velocidade do Guerrón. Gostei do posicionamento da nossa defesa, com a bola rolando eles tinham dificuldade em penetrar na nossa área. Nosso sistema defensivo só vacilou nas bolas paradas”, completou.

Outro ponto analisado pelo treinador foi o comprometimento dos jogadores no segundo tempo, que mesmo com um a menos conseguiram empatar a partida e foram em busca da vitória.”Gostei do espírito guerreiro da equipe, tem que ser assim sempre. A equipe marcou firme, não deu muito espaço para o Palmeiras jogar. Vamos continuar trabalhando, se o time fizer o que fez hoje, tem condições de ganhar fora e vamos ter que ganhar fora também”, disse.

Por fim, Lopes falou sobre a opção em escalar Guerrón de titular na partida deste noite. O equatoriano vinha sendo contestado pela torcida rubro-negra por não conseguir manter uma regularidade, mas hoje foi bem e acabou eleito o melhor em campo pela equipe da Banda B.”Eu nunca tinha trabalhado com o Guerrón, mas sempre gostei das características dele. Ele é muito rápido, é forte e tem uma técnica boa. Ele não dá sossego à defesa adversária”, finalizou Antônio Lopes.