Por Guilherme Coimbra e Pedro Melo 

Jogadores receberam faixa de campeão brasileiro antes da bola rolar em São Caetano do Sul. (Arquivo Atlético)

O Atlético estava muito perto de conquistar o inédito título brasileiro depois de abrir 4 a 2 na final contra o São Caetano, mas ainda faltava 90 minutos e o adversário não tinha a melhor campanha do Brasileirão à toa. Para motivar os jogadores, o técnico Geninho entregou as faixas de campeão antes mesmo do segundo jogo, em São Caetano do Sul, e ainda cobrou: “entrem em campo e não deixem tirar de vocês”.

Em entrevista à Banda B, Geninho relembrou que já considerava aquele grupo campeão e ainda lembra com muito carinho o fato da preleção ter dado um resultado positivo. “Mandei confeccionar as faixas, aquilo foi entregue no vestiário depois da preleção normal. Entreguei uma para cada um e disse que, para mim, independente do que acontecesse, eles já eram campeões. Parece que isso mexeu com o pessoal e teve o efeito desejado. Graças a Deus o grupo não deixou que o adversário tirasse a faixa de campeão do peito de ninguém”, contou.

Um dos líderes do elenco, o ex-zagueiro Gustavo enfatizou que a entrega das faixas antes do jogo em São Caetano do Sul foi fundamental para que o Rubro-Negro garantir o título. “A preleção do Geninho durou só uns 10 minutos. Ele falou um pouco e depois pegou uma caixa para entregar a faixa de campeão para os jogadores e disse ‘entrem em campo e não deixem tirar de vocês’. Além de ter feito o resultado aqui [em Curitiba], ganhamos na preleção. Quando fala que o time ganha na preleção, esse foi o caso. Ganhamos o título na preleção. Como que vai entrar em campo com a faixa e deixar o adversário tirar de você? Acho que não”, declarou.

Já o ex-zagueiro Rogério Corrêa destacou que a preleção do treinador fez toda a equipe entrar ainda mais motivada em campo. “Estávamos comprometidos. Pelo fato do Geninho ter feito uma preleção menor e ter dado uma faixa para todos, nos deixou ainda mais motivados. A gente não poderia entrar desligados e o Geninho foi muito importante. Esse fator de dar a faixa nos fez entrar ainda mais garra, determinação e vontade. Entramos pilhados, a mais de 110 km/h para não deixar escapar esse título”, disse.

Depois de abrir 4 a 2 de vantagem na Arena da Baixada, o Furacão podia perder por até um gol de diferença, mas a preleção de Geninho deixou os jogadores ainda mais focados em não deixar escapar o título. Resultado: Atlético 1×0 e campeão brasileiro de 2001.