Fernando Diniz aprovou o desempenho do Atlético. (Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo)

O técnico Fernando Diniz mantém os pés no chão mesmo com a goleada do Atlético por 5 a 1 sobre a Chapecoense, na Arena da Baixada, na estreia no Campeonato Brasileiro. O treinador também ressaltou que a equipe ainda precisa melhorar na sequência da temporada.

“Os ajustes são permanentes. Não dá para fazer comparativo imediato com a [equipe] que jogou na quinta-feira. Aquela equipe já tem mais treinos e estão mais ambientados. Temos coisas a serem corrigidas mesmo com os cinco gols. Não podemos esperar o resultado negativo para corrigir os erros. Vamos ajustando o time ao longo do tempo”, declarou o comandante.

Essa foi a primeira vez que o Atlético saiu atrás no marcador, mas não mudou o estilo de jogo em nenhum momento. De acordo com o técnico, o resultado das partidas não pode modificar o que foi trabalhado nos treinamentos. “Não saímos perdendo em nenhuma ocasião, mas levamos duas ou três viradas contra o Tubarão. Resultado do jogo não pode modificar o trabalho da equipe e precisa ficar unida o tempo todo. Se a gente deixar de fazer aquilo que treina, deixa de ser uma equipe para ser um amontoado de gente”, comentou.

Diniz só lamentou a falta de eficiência nas finalizações do Atlético durante o primeiro tempo. “Faltou Pouco mais de eficiência. Não tivemos a mesma eficácia do segundo tempo. São coisas do futebol”, disse. “O nível de acerto foi muito bom no segundo tempo. Contra o Newell’s Old Boys já não foi tão bom assim. Temos que trabalhar para melhorar as finalizações. Conseguimos construir bastante e é difícil criar chances contra uma equipe com o sistema tático da Chapecoense”, acrescentou.

Na partida deste domingo, o treinador poupou alguns titulares pensando na partida da Copa do Brasil contra o São Paulo. A grande surpresa foi a escalação do volante Bruno Guimarães na defesa ao lado de Esteban Pavez e José Ivaldo.

“A gente teve um jogo na quinta-feira e foi muito desgastante. Alguns jogadores sentiram mais do que outros e também tivemos atletas com dores musculares. Em consenso, a gente resolveu mesclar porque se esses jogadores jogassem, poderiam se lesionar ou iriam em condições ruins para o jogo da quinta-feira. Temos um time que todos podem jogar, não teve nada de improviso. Treinamos muito para encaixar o time de acordo com a necessidade”, explicou o comandante.

Assista à entrevista do técnico Fernando Diniz:

Coletiva Fernando Diniz

Posted by Esporte Banda B on Sunday, April 15, 2018