Reprodução/Ovación Digital
Empresário do atacante não compareceu à divulgação do resultado da amostra coletada: doping foi detectado na última rodada do Campeonato Uruguaio

O laboratório do Ministério do Turismo, Esporte e Juventude do Uruguai revelou nesta sexta-feira que o exame antidoping do atacante Santiago García apontou a presença de cocaína, segundo o diário esportivo uruguaio Ovación. A amostra foi coletada na última rodada do Campeonato Uruguai, na partida entre Nacional e Defensor. O empresário do atleta, Carlos Soca, não esteve presente na divulgação do resultado.

Segundo a regulamentação vigente no Uruguai, Morro García poderia ser condenado a dois anos de suspensão, com possibilidade de redução da pena para seis meses. O atacante ainda pode pedir a contraprova, sob seu próprio custeio e, caso opte por não solicitá-la, a suspensão, com validade somente em solo uruguaio já começa a vigorar.

Em entrevista ao jornal El Observador, do Uruguai, o diretor nacional de Esportes do país vizinho, Ernesto Irurueta falou sobre a demora na divulgação do resultado do exame, e esclareceu que a pena, caso aplicada, começa a valer desde a data de coleta do exame. “O jogador não é responsável pelo tempo que passou. As demoras obedecem aos recursos que possuímos no laboratório”, disse Irurueta.

Punição vale para qualquer lugar do mundo

Todas as federações nacionais são obrigadas a informar a FIFA sobre todos os casos de doping. Sendo assim, a Federação do Uruguai deve comunicar em breve a FIFA sobre a situação de Morro García e a punição ao jogador não fica restrita apenas ao Uruguai. A pena vale para qualquer lugar do mundo e aí o atacante perde condição de jogo também no Atlético.