Por Felipe Dalke com informações de Felipe Dutra

Após o desligamento do diretor de futebol Paulo Carneiro e da provável saída do atacante Walter e do meia Vinícius, o presidente do Atlético dr. Luiz Salim Emed conversou com a Banda B em entrevista durante o programa Balanço Esportivo para explicar a situação.

A saída do diretor de futebol, de acordo com Salim, foi realizada em conjunto da diretoria com a comissão técnica. “Tomar uma decisão em relação à um amigo é sempre uma situação delicada, a saída do Paulo (Carneiro) nos entristece mas foi uma decisão em conjunto da diretoria e da comissão técnica. Informamos ele e ele entendeu. Isso acontece no futebol”, explicou.

Questionado sobre a possível saída de Walter, o presidente do Furacão garantiu que ainda não está certo mas admite negociar o atleta. “Nunca dá pra falar que o Walter está fechado, já tivemos a experiência de quando ele veio pro Atlético que estava acertado e daí aconteciam alguns fatos novos. O presidente do Goiás veio para cá, conversaram e tem muito carinho por ele, assim como ele tem uma vivência grande no Goiás. Estamos negociando e achamos que deve ser concretizado num curto espaço de tempo”.

A decisão para a não utilização do camisa 29, Vinícius, foi também de conjunto entre a diretoria e a comissão técnica, que viu a contratação como frustrada, já que as expectativas em torno do atleta em grandes. “Houve uma decisão da diretoria e da comissão técnica para que o Vinícius não participasse mais do Atlético e agora ele fica a disposição para o Goiás ou para outro clube. Tem que deixar bem claro que não aconteceu nenhum ato de indisciplina ou conflito, foi apenas uma decisão. Eu, pessoalmente, penso que tivemos uma expectativa muito maior do Vinícius e que não foi correspondida, então tomamos essa decisão. É um excelente atleta, principalmente na parte técnica, mas não conseguiu desenvolver o futebol que é capaz”, disse o presidente.

De acordo com Salim Emed, o técnico Paulo Autuori está ciente de tudo e não foi contra nenhuma das decisões. “O Paulo tem plena autonomia, não existe nada de ele sair por essas coisas que estão acontecendo. Se algo que aconteceu tivesse arranhado qualquer decisão dele, ele já estaria fora. No período em que está conosco, nunca houve nenhum tipo de interferência em escalação. Quem escala e quem tem plena autonomia é o técnico”, confirmou.

O recado para a torcida do mandatário atleticano foi que as reposições no elenco serão feitas por atletas do mesmo nível dos que estão se desligando do clube. “A torcida pode ficar tranquila que nós vamos trazer pessoas para substituir esses atletas importantes que se de fato saírem, nós iremos repôr com atletas de gabarito semelhante”, concluiu.