Por Guilherme Coimbra

Pivô defensivo, Thiago Heleno afirmou que “vacilos” devem ser corrigidos (Divulgação/Atlético)

Com um excelente desempenho defensivo na última edição do Campeonato Brasileiro, o Atlético dividiu o posto de defesa menos vazada junto do campeão Palmeiras, com apenas 32 gols sofridos na competição. Mas, no início de 2017, a equipe do técnico Paulo Autuori não tem conseguido manter a boa performance no setor. Em levantamento feito pelo diário Lance!, o Furacão figura apenas no 15º lugar em médias de gols tomados na temporada entre os clubes da elite nacional.

A solidez defensiva foi o estopim da boa campanha do Atlético em 2016. Setor mais eficiente da equipe, a defesa encerrou a temporada com 54 gols sofridos em 68 jogos, uma média de 0,79 por partida – a melhor do clube desde 1995, quando bateu 0,71. Estes números levaram o time a dividir o posto de menos vazado do último Brasileirão com o campeão Palmeiras, conduzindo o Rubro-Negro à vaga para a Libertadores.

Mas a defesa atleticana ainda não conseguiu emplacar o mesmo sucesso no início de 2017. Alternando o time principal na disputa da Libertadores com o alternativo, que atua no Campeonato Paranaense, o Furacão sofreu 12 gols em 12 partidas, com uma média de um gol sofrido por jogo. Os números colocam o Atlético no modesto 15º lugar entre as médias dos 20 clubes da Série A do Brasileirão, segundo levantamento do diário Lance!.

Nos últimos dois jogos em casa na Libertadores, por exemplo, o Rubro-Negro sofreu cinco gols, todos com falhas do setor, que acabou preocupando os torcedores. Em entrevista após o empate com a Universidad Católica, do Chile, na última semana, o zagueiro Thiago Heleno negou mudança de postura e afirmou que se tratam de erros que devem ser corrigidos. “Do ano passado para agora, continua a mesma coisa. Só estamos levando alguns gols de vacilos nossos. Mas, se for pegar, são alguns lances que tem que ser corrigidos”, declarou.

O levantamento soma todos os jogos oficiais das 20 equipes da primeira divisão nacional mais o Internacional e tem como melhor média o Bahia, com 0,31 gol por partida. Outro paranaense na elite, o Coritiba se encontra na 8ª posição, com sete gols sofridos em nove jogos e média de 0,77.