Por Rodrigo Dornelles com informações de Wellington Campos
Goleiro Weverton foi o grande nome do jogo. (Divulgação/ Atlético)

Goleiro Weverton foi o grande nome do jogo. (Divulgação/ Atlético)

Uma presença chamou bastante atenção no Mineirão na noite desta segunda-feira (11), durante a vitória do Atlético sobre o Cruzeiro, por 3 a 0. O técnico da seleção brasileira, Tite, esteve no estádio juntamente com outros membros da comissão técnica e treinadores de base, observando os atletas. Segundo o treinador, ele estava de olho em todos os jogadores, mas no intervalo, o comandante concedeu rápida entrevista e chegou a citar o goleiro Fábio, do Cruzeiro. O grande nome do jogo, no entanto, foi o outro jogador de luvas em campo, Weverton.

Garantindo que todos os atletas de Cruzeiro e Atlético estavam sob observação do treinador, ele chegou a citar alguns nomes como exemplo. Os volantes Henrique, da Raposa, e Otávio, do Furacão, foram nomes comentados. O goleiro cruzeirense também. “Todos os jogadores independentemente da idade, ou são jovens, e não quero citar nomes. Mas vamos dar um exemplo do Otávio, surgindo no Atlético Paranaense, ou do Fábio e do Henrique (do Cruzeiro), que têm qualidade comprovada, todos vão estar sob minha observação”, comentou Tite.

Se foi observar Fábio, Tite acabou vendo Weverton. O goleiro atleticano foi o grande nome da partida. Na primeira etapa, o Cruzeiro dominou o jogo por completo e o camisa 12 parou Robinho e Rafael Sóbis com duas excelentes defesas. Após o intervalo, apesar dos três gols atleticanos, Weverton fez pelo menos mais três defesas difíceis, uma delas de alta dificuldade, defendendo com a cabeça uma finalização à queima roupa de Riascos.

Questionado sobre quem estava sob a observação da comissão técnica na partida dessa segunda-feira (11), o técnico Tite foi enfático em garantir que não havia nenhum nome em especial. “Todos”, respondeu brevemente o treinador da seleção brasileira.

O maior peso a ser considerado pelo técnico da seleção será o do momento. De acordo com Tite, a avaliação será mais em questão da fase do que do status do atleta, propriamente dito. “Eu vou avaliar o momento melhor de cada um. pode ser um momento melhor de um atleta que não tem um status maior, tanto técnico, quanto físico. Eu digo que meu papel é de técnico, mas muito mais de selecionador”, comentou o comandante.