Por Pedro Melo 

Arena da Baixada será utilizada na Liga Mundial de Vôlei e pode desfalcar Atlético na Libertadores (Inovafoto/CBV)

O Atlético trata a Arena da Baixada como sua principal arma em todas as suas partidas e não seria diferente na Libertadores. Após a divulgação em que a fase final da Liga Mundial de Vôlei seria no estádio atleticano entre os dias 04 e 08 de julho, surgiu a possibilidade do Rubro-Negro jogar as oitavas de final do torneio sul-americano justamente na mesma semana.

Durante o evento de lançamento da Liga Mundial, o presidente do Atlético, Luiz Sallim Emed, declarou que ainda não pensa no assunto, mas afirmou que a diretoria encontrará uma alternativa para o problema. “Eu aprendi com nosso vice-presidente que cada agonia na sua hora. Hoje estamos apresentando esse evento e ainda temos três meses. Vamos encontrar alternativas nesses planos para atender todas as necessidades”, comentou.

Se passar em segundo lugar na fase de grupos da Libertadores, o Rubro-Negro jogaria a primeira partidas das oitavas de final da Libertadores dentro de casa. No calendário oficial da Conmebol, as datas disponíveis são 4, 5 e 6 de julho.

O Furacão já viveu uma situação parecida no ano passado, quando o tenor italiano Andrea Bocelli fez um show na Arena da Baixada na mesma época do clássico Atletiba. A solução encontrada foi jogar a partida do Brasileirão na Vila Capanema, o que gerou muita revolta dos atleticanos.

Mesmo com esse problema para resolver, o mandatário atleticano ressaltou a importância da Arena da Baixada receber eventos de outras modalidades na Arena da Baixada. “Queremos fazer da Arena um local de multi eventos. A grama sintética é para poder resistir a esses diferentes eventos. Isso está em nosso planejamento”, disse. “É com esse objetivo que essa Arena foi construída. Claro que o futebol é o principal, mas o estádio precisa de eventos”, complementou.