Por Guilherme Coimbra com informações de Felipe Dutra

Bruno Pivetti comandou a equipe na derrota fora de casa para o Foz do Iguaçu (Divulgação/Atlético)

Em uma das piores atuações da equipe no Paranaense, o Atlético foi derrotado pelo Foz do Iguaçu, por um a zero, na noite deste sábado (4), no Estádio ABC, em Foz. Focado na partida de terça-feira (7) pela Libertadores, o Furacão foi comandado pelo auxiliar técnico Bruno Pivetti, que concedeu entrevista coletiva após a partida e comentou o resultado adverso no oeste do Estado.

“Tivemos mais de 60% de posse de bola, mesmo se tratando de um time jovem. Controlamos amplamente a partida, faltou ser mais agudo no último terço, verticalizar a bola e mais fome de gol. De maneira geral, conseguimos controlar a equipe adversária, mas o controle não refletiu no resultado. Temos mantido o mesmo padrão e acredito que, mantendo este trabalho, o resultado vai vir de maneira natural”, analisou Pivetti.

Dois erros, um em cada etapa, atrapalharam o Atlético na derrota para o Foz. No primeiro tempo, o goleiro Santos falhou na reposição de bola e acabou cometendo o pênalti que gerou o gol do Foz do Iguaçu. Já no segundo tempo, Luiz Otávio acabou sendo expulso por reclamação e deixou o time com um a menos em campo.

“O lance do pênalti foi uma infelicidade. Temos esse jogo dos goleiros com os pés, eles vêm melhorando nisso. Acredito que o Santos perdeu o tempo da bola. O lance da expulsão, o lateral era nosso, mas não justifica o erro. O Luiz [Otávio] acabou perdendo a cabeça, acontece. Temos que usar o acontecimento como aprendizado para todos”, declarou Bruno Pivetti.

Para o auxiliar técnico do Furacão, as alterações mudaram o panorama da equipe no jogo, mas não foram suficientes para que o time alcançasse o êxito. “Assim como a instituição tem a coragem de bancar jogadores mais jovens, nós também temos coragem suficiente para buscar alterações em busca do resultado o tempo inteiro. Começamos com o João Pedro para buscar a verticalização, o Marcelinho pelos lados e o Douglas Coutinho como centroavante. Conseguimos aumentar a produtividade, mas infelizmente não foi o suficiente para empatar o jogo ou conseguirmos a vitória”, disse.

Pivetti não descartou sobre a permanência no comando da equipe no estadual e destacou a sintonia entre a comissão técnica para o sucesso da equipe na temporada. “Confiamos em todos os jogadores e no nosso processo. Estamos totalmente em sintonia, então indiferente de quem está na frente da equipe, as informações serão passadas e os procedimentos serão os mesmos. Quem estiver na frente vai manter a nossa identidade para que possamos conseguir os resultados que esperamos”, finalizou.