Por Rodrigo Dornelles com informações de Felipe Dutra
Autuori voltou a protestar contra calendário. (Divulgação/ Atlético)

Autuori voltou a protestar contra calendário. (Divulgação/ Atlético)

O empate sem gols contra a Chapecoense, na Arena da Baixada, em jogo válido pela ida do confronto da terceira fase da Copa do Brasil ficou em segundo plano na entrevista coletiva do técnico Paulo Autuori. O comandante do Atlético minimizou o resultado e protestou contra o calendário do futebol brasileiro. A maior preocupação demonstrada pelo treinador foi em relação à lesão do meia Nikão, que ficou em campo por apenas 10 minutos.

Colocado em campo já na etapa final, Nikão foi para o jogo e cerca de 10 minutos depois caiu sentindo uma lesão. O jogador precisou ser substituído e preocupa para a sequência da temporada. “Minha preocupação não é o resultado, é ter perdido o Nikão”, ressaltou Paulo Autuori.

Tema repetido em todas as entrevistas coletivas do treinador rubro-negro, o calendário do futebol brasileiro foi, mais uma vez, duramente criticado por Autuori. “Ninguém tem tempo, o que dá para fazer é recuperar jogador. É o ciclo vicioso, joga, recupera, não treina, joga, recupera, não treina”, comentou o técnico. “Todas as vezes que eu estiver aqui vou falar da coisa ridícula que é o calendário do futebol brasileiro”, declarou.

Quanto ao jogo desta quinta-feira (21), o comandante rubro-negro considera que é natural um jogo que não tenha agradado. Na visão dele, é a realidade do futebol brasileiro, justamente por conta do calendário. “Essa história eu já vi muitas vezes acontecer. Para quem analisa é fácil uma visão simplista, e é normal que seja, talvez eu também tivesse essa visão se estivesse em outra função, jogo bom ou ruim. Quero saber quais são os grandes jogos do futebol brasileiro, e a culpa não é dos treinadores, dos jogadores, a culpa é de quem faz um calendário ridículo desses”, afirmou Paulo Autuori.

Sobre uma possível pressão após dois empates seguidos em casa, por Brasileirão e Copa do Brasil, Autuori garantiu estar tranquilo para dar seguimento ao trabalho. “Só analiso resultado depois do mata-mata, o jogo não acabou ainda, temos condições de buscar a vitória em Chapecó. Não sofrer gol também foi importante, já tive essa situação ao contrário. São jogos estratégicos”, comentou o treinador.