Por Rodrigo Dornelles com informações de Felipe Dutra
Autuori deve manter base. (Divulgação/ Atlético)

Autuori deve manter base. (Divulgação/ Atlético)

Nenhuma relação. Para o técnico Paulo Autuori, as duas partidas da decisão do Campeonato Paranaense dessa temporada não tem nada a ver com o clássico Atletiba que acontece nesta quarta-feira (29). O treinador do Atlético deixa as finais de lado e pede o Furacão jogando o seu jogo contra o maior rival.

O comandante rubro-negro descarta qualquer ligação das partidas decisivas com o clássico pelo Brasileiro e encara o jogo como uma chance de continuar o trabalho que está sendo feito. “A competição é outra, o momento é outro, o que aconteceu já foi, virou história. A expectativa é de dar continuidade ao trabalho. São jogos importantes, clássicos, mas espero acima de tudo que seja um bom espetáculo e que ao final possamos brindar mais uma boa atuação e uma vitória”, projetou Autuori.

Admitindo o caráter especial da partida, Paulo Autuori pede o Atlético jogando como Atlético no Couto Pereira. “Nós temos que pensar no jogo da maneira como deveremos encarar todos os jogos, sabendo que é um jogo com características diferentes por ser um clássico. Mas temos que fazer o nosso futebol, fazer o que nós acreditamos, independente de quem estiver jogando contra”, afirmou o treinador.

Com a possibilidade de ingressar no G4 em caso de vitória, o técnico atleticano afirma não admitir que o grupo sinta ansiedade para estar entre os primeiros. “Eu não admito esse tipo de ansiedade. Acho que a equipe fez um grande jogo porque está chegando a esse nível, está fazendo por onde. A grande vitória, além dos três pontos, foi da maneira como aconteceu e como jogou. Pode chegar nesse nível competitivo porque está fazendo por onde, tudo é consequência. Então não admito nenhuma ansiedade para entrar no G4”, declarou Paulo Autuori.

Quanto ao time que vai a campo diante do Alviverde, Autuori disse contar com todos os jogadores, menos Hernani, que está suspenso. Ele não adianta qualquer outra modificação e revela a tendência de manutenção da base que venceu o Grêmio. “Em relação a não possibilidade de jogar, nesse momento, só o Hernani pelo cartão. A base deve ser mantida, não tem porquê alterar, a não ser que sentimos o desgaste do jogador e de eu particularmente sentir que isso pode botar em causa a intensidade que a equipe deve jogar”, comentou o treinador.