Por João Pedro Alves

Ainda não foi desta vez que o Atlético desencantou e conquistou a primeira vitória no Campeonato Paranaense. Assim como já havia se repetido em rodadas anteriores, na tarde deste domingo (2) a equipe rubro-negra não iniciou bem no jogo e deixou o Rio Branco abrir dois gols de vantagem no Gigante do Itiberê, em Paranaguá. Apenas depois disso que o Furacão reagiu, e ainda descontou com Mosquito, mas nada que evitasse a derrota por 2 a 1 no litoral do estado.

Em uma situação delicada no estadual, o Atlético tem pela frente no próximo domingo (9) o primeiro clássico do ano, o tradicional Atletiba, na Vila Capanema. Antes, porém, as atenções serão voltadas para o jogo da volta da Libertadores contra o Sporting Cristal, que acontece quarta-feira (5) em Curitiba.

Ouça os gols da partida narrados por Paulo Sérgio Debski na Banda B:

0017 – CAMP PARANAENSE – ATLETICO X RIO BRANCO – 3 GOL MOSQUITO – 02-02 – PAULINHO 0016 – CAMP PARANAENSE – ATLETICO X RIO BRANCO – 2 GOL FUMAÇA – 02-02 – PAULINHO 0015 – CAMP PARANAENSE – ATLETICO X RIO BRANCO – 1 GOL RICARDO – 02-02 – PAULINHO

Atlético volta a jogar pouco, é dominado e sofre gol do Leão

Sem vitória nas três primeiras rodadas, o Atlético foi até o litoral disposto a voltar com os três pontos – tanto que o técnico Petkovic até prometeu um churrasco se isso se concretizasse. Em campo, o time rubro-negro mostrou movimentação ofensiva tentando impor o ritmo sobre o Rio Branco. Mas os donos da casa não permitiram, e o jogo começou igual e com posse de bola equilibrada.

Dentro desse panorama que se instalou no Gigante do Itiberê, era o Leão da Estradinha se apresentava melhor no ataque principalmente forçando pelo lado direito do gramado. Essa pequena vantagem foi suficiente para tirar o zero do placar. Aos 17 minutos, após cobrança de escanteio, a bola ficou viva na área e sobrou para Ricardo Ehle, que matou no peito e finalizou para dentro.

O Furacão tentou reagir rapidamente, mas os avanços ao campo do adversário não resultavam em chances de empatar. A única finalização foi uma bomba rasteira de Jonatan Lucca defendida por Thiago Rodrigues. Enquanto isso, comandado pelo meia Bismarck, o Rio Branco trabalhava a bem melhor e atacava pelo setor esquerdo da defesa rubro-negra, que dava espaços para as descidas do lateral James.

Aquela igualdade do início da partida deixou de existir na parte final do primeiro tempo. Tranquilo com a vantagem simples que criou, o organizado time parnanguara utilizou bem a superioridade em campo e só não ampliou o marcador porque definiu pouco em gol. O Atlético seguiu sem força lá na frente, e nas poucas vezes que foi ao ataque não fez nada que alterasse o placar antes da descida para o vestiário.

Furacão leva mais um e cresce, mas não evita novo tropeço no estadual

Insatisfeito com a atuação do Atlético, Petkovic voltou do intervalo anunciando mudanças táticas para a etapa complementar. Qualquer que tenha sido a orientação do sérvio, não funcionou logo de cara. O Rio Branco aproveitou, foi para cima e marcou o segundo gol logo aos seis minutos. Em uma tabela pela esquerda, Jonatha Fumaça recebeu já dentro da área, fintou a marcação e chutou no ângulo para ampliar o placar.

Apesar de já tarde, com uma boa vantagem do adversário, o gol fez o Furacão despertar para o jogo. Foi a partir de então que a equipe rubro-negra passou a chegar com mais velocidade e força ao ataque para tentar descontar no marcador. Mas as chances seguiam sem ser criadas, e nos contra-ataques o Leão da Estradinha também se arriscava e obrigava a defesa atleticana a trabalhar.

Pouco a pouco o Atlético foi se acertando mais na frente, impôs uma pressão e começou a levar perigo. as melhores finalizações foram em chutes de Mário Sérgio e uma cabeçada de Tárik bem defendida por Thiago Rodrigues. Faltava alguém acertar o pé – ou a cabeça – e colocar a bola lá dentro. Foi isso que fez o estreante Mosquito aos 34 minutos: ele encontrou espaço para bater de fora da área e mandou no ângulo, sem chances para o goleiro, para anotar um golaço.

Com o crescimento que apresentou e a empolgação do gol, o Furacão foi atrás da vitória. Melhor em campo e fazendo uso do melhor preparo físico, o time da Baixada continuou em cima do Rio Branco tentando balançar as redes novamente. A oportunidade de ouro foi de Crislan, já nos lances finais, mas cara a cara com o goleiro ele chutou para fora e desperdiçou. Era a chance da igualdade, que não veio. Sem churrasco ou pontos, o Atlético volta para Curitiba com a derrota por 2 a 1.

FICHA TÉCNICA
RIO BRANCO 2 X 1 ATLÉTICO

Local: Estádio Fernando Charbub Farah, em Paranaguá (PR).
Data: 2 de fevereiro de 2014, domingo.
Horário: 17h.

Rio Branco: Thiago Rodrigues, James, Cris, Anderson Rosa e Fábio Alves; Ricardo Ehle, Duda, Rafael Chorão (Willames) e Bismarck (Júnior Capixaba); Jonatha Fumaça (Renan Vinícius) e Salatiel Junior.
Técnico: Netinho.

Atlético: Rodolfo; Juninho, Tárik, Lucas Alves e Léo Pereira (Sidcley); Otávio, Jonatan Lucca (Mário Sérgio), Hernani e Marcos Guilherme; Mosquito e Dominic (Crislan).
Técnico: Dejan Petkovic.

Cartões amarelos: Salatiel, Cris, Renan Vinícius, Willames (RBC). Léo Pereira, Sidcley (CAP).

Gols: Ricardo Ehle (RBC), aos 17 minutos do primeiro tempo. Jonatha Fumaça (RBC), aos seis minutos, e Mosquito (CAP), aos 34 minutos do segundo tempo.