Divulgação
Arena terá capacidade para 43.981 pessoas

O Clube Atlético Paranaense anunciou na tarde desta quinta-feira (29) a parceria com a AEG Facilities, líder mundial na operação de arenas indoor, estádios e centros de convenções e de negócios. A AEG foi a empresa escolhida para transformar a Arena em um estádio multifuncional a partir de sua reinauguração, ainda sem data prevista. A Gazeta do Povo teve acesso ao contrato, assinado entre as partes há quase dois meses. Enquanto as obras da Arena estiverem em andamento, o Atlético pagará US$ 40 mil mensais à AEG.

A abertura oficial do estádio dispara o gatilho da parte principal do trato, com dez anos de duração e remuneração também a cada 30 dias de acordo com as receitas captadas pela empresa norte-americana: 12% da receita líquida do estádio e da areninha; 12% da receita de patrocínio do estádio e do clube; 9% das receitas com assentos premiums (salas de eventos, lounges, salões de festa, assentos vips e espaços de hospitalidade, entre outros).

As receitas do estádio serão compostas por venda dos direitos de comercialização de comidas e bebidas, naming rights, sinalização publicitária e patrocínios (inclusive de eventos) obtidos pela AEG.

As receitas do clube que entram na partilha são todas vendidas pela parceira referentes a patrocínio de uniforme, fornecimento de material esportivo, licenciamento de produtos usando a marca do clube e espaços de mídia controlados pelo Atlético (site oficial, TV CAP, internet, rádio WEB e rádio tradicional). O dinheiro de sócios, direitos de tevê e venda de jogadores segue integralmente com o Furacão.

Todo o dinheiro gerado pela parceria será depositado em uma conta conjunta de responsabilidade da AEG. Se faltar verba para as despesas dos serviços contratados, o Atlético deposita a diferença.

Multiuso

O clube revelou no evento de lançamento que o complexo do estádio, que também envolve um ginásio para cerca de dez mil pessoas, deve abrigar entre 200 e 250 eventos anuais. A Arena, cuja capacidade máxima será de 43.981 em dias de jogos de futebol, poderá sediar espetáculos para até 60 mil pessoas.

No evento em São Paulo, o presidente do Atlético-PR, Mario Celso Petraglia, afirmou que a partir da conclusão da Arena, Curitiba será uma capital de eventos. “Tenho certeza que vamos transformar a cidade em um pólo de entretenimento. Faremos o teto retrátil e seremos a única arena do Brasil assim. Tivemos o apoio da AEG e da empresa 360, que ficou encarregada de trazer o seu conhecimento de gerenciamento e projetos para cá. Hoje, o que temos no Brasil são ginásios adaptados para eventos. Aqui, no nosso projeto, é tudo já concebido como arena multiuso”.

Beto Lima, presidente da BlueBox, disse que está orgulhoso da parceria com o Atlético Paranaense. “É um clube de vanguarda no Brasil. O presidente Petraglia falou que ficou feliz por nós aceitarmos o projeto, mas na verdade nós temos de agradecer pela oportunidade”, declarou, convidando os presentes para assistirem ao vídeo institucional da AEG.

Fora do Brasil, a AEG gerencia várias arenas multiuso, como o Staples Center, casa do Los Angeles Lakers e do Los Angeles Clippers, times da NBA, e é dona do LA Galaxy, time de futebol nos EUA.

Repórter impedido de trabalhar

A reportagem da Gazeta do Povo foi impedida ontem, em São Paulo, de acompanhar a entrevista que selou a parceria entre Atlético e a nova gestora da Arena, a americana AEG. Mesmo credenciado na terça-feira pela CDI Sports, empresa contratada pelo clube para organizar o evento de mídia, o repórter enviado pelo jornal para acompanhar o anúncio não pôde participar do encontro. A justificativa do Atlético – em contato telefônico com a redação do jornal – foi que a Gazeta do Povo antecipou na edição de ontem detalhes do contrato (“Parceria duplica vocação da Arena”, página 3 da Esportiva), como a destinação de 12% da receita líquida mensal de patrocínios do clube a partir da inauguração do estádio à AEG.

Os documentos foram obtidos com exclusividade pelo jornal e – diante do interesse público do fato – não havia motivo jornalístico para a não divulgação, como sugeriu o Atlético, mesmo sem contestar as informações.

Em nota divulgada ontem, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná repudiou a atitude. “A decisão dos dirigentes do Atlético vai frontalmente contra a liberdade de imprensa, e, consequentemente, contra a liberdade de expressão, dois direitos garantidos na Constituição”, trouxe o texto. “O Sindicato condena veementemente qualquer tentativa de dificultar ou impedir o livre exercício profissional dos jornalistas.”