Por João Pedro Alves
Fotos de Monique Vilela

Digno de uma final, assim foi o primeiro jogo da decisão da centésima edição do Campeonato Paranaense entre Londrina e Maringá. Depois de 22 anos com pelo menos uma equipe da capital, os times do norte fizeram bonito e mostraram a força do interior na tarde deste domingo (6) com um jogo cheio de disputa e bastante movimentado no estádio do Café, em Londrina. O equilíbrio no tradicional “Clássico do Café” se refletiu também no placar, um 2 a 2 que deixa a definição de quem leva o título completamente em aberto.

Com tudo igual na disputa, Tubarão e Zebra voltam a se enfrentar no próximo domingo (13), desta vez no estádio Willie Davids, para definirem quem será o grande campeão deste ano. No meio do caminho, na quinta-feira (10), o Londrina ainda tem o jogo de volta da Copa do Brasil contra o Criciúma em Santa Catarina.

Ouça o compacto da final na voz de Paulo Sérgio Debski na Rádio Banda B:

00000 – COMPACTO DO 1 JOGO DA FINAL CAMP PARANAENSE – LONDRINA X MARINGA – 06-04 – PAULINHO

Ouça os gols do empate entre Londrina e Maringá:

0098 – CAMP PARANAENSE – LONDRINA X MARINGA – 1 GOL JOEL – 06-04 – PAULINHO 0099 – CAMP PARANAENSE – LONDRINA X MARINGA – 2 GOL GABRIEL BARCOS – 06-04 – PAULINHO 0100 – CAMP PARANAENSE – LONDRINA X MARINGA – 3 GOL CELCINHO – 06-04 – PAULINHO 0101 – CAMP PARANAENSE – LONDRINA X MARINGA – 4 GOL BAIANO – 06-04 – PAULINHO

Decisão começa quente e com um gol para cada lado no Café

Em tempos em que o dinheiro é o que normalmente representa uma campanha melhor, Londrina e Maringá quebraram paradigmas ao eliminarem a dupla Atletiba e voltaram a fazer uma final de Paranaense exclusiva do interior após 22 anos. A decisão começou no estádio do Café, que recebeu um grande público nas arquibancadas no primeiro “Clássico do Café” valendo o título.

Embalados por boas campanhas no estadual, as equipes foram a campo jogando abertas e buscando o ataque sem maiores receios. O resultado foram perigos de gol logo no início. Pelo lado do Maringá, Serginho Paulista perdeu uma chance cara a cara com Vitor. A resposta londrinense aconteceu com uma cabeçada e em uma bicicleta sem muita força de Diogo Roque.

Apoiado pela torcida, o Tubarão tinha mais posse de bola e procurava ficar na intermediária do adversário para tentar impor uma pressão. Não foi na base desse abafa, mas o gol acabou saindo aos 17 minutos. Foi quando Joel aproveitou a cobrança de escanteio da direita e, na primeira trave, subiu para cabecear para as redes

Ao invés de continuar se impondo, após abrir o placar o LEC diminuiu o ritmo e permitiu que a Zebra crescesse em campo. Foi um erro fatal justamente contra o time de melhor ataque do Paranaense. O gol de empate foi consequência. A igualdade maringaense foi alcançada aos 24 minutos com o “pirata” Gabriel Barcos, que aproveitou o rebote de Vitor em uma bomba de Cristiano e só empurrou para o gol aberto.

Era o ingrediente necessário para fazer o Café ferver e a decisão ganhar em qualidade. Com o empate, o Londrina acordou novamente e teve um momento de grande superioridade. Foram três finalizações seguidas que só não terminaram no fundo da meta porque Ednaldo trabalhou bem. Sem deixar os donos da casa à vontade, o Maringá foi arisco e tinha nos contra-ataques em velocidade sua principal arma. Tanto de um lado quanto de outro, o que ficou faltando foi o o gol antes do intervalo.

Disputa continua acirrada e placar volta a se movimentar

Satisfeitos com o primeiro tempo, os técnicos preferiram apenas orientar os atletas ao invés de queimarem uma substituição nos vestiários. E a princípio, a etapa complementar também não mudou muito e o que se viu foi um jogo equilibrado. Havia uma ligeira vantagem do Maringá por ser mais agudo nas descidas em velocidade, mas o Londrina ainda continuava vivo e à espera de uma brecha.

Ela não demorou a aparecer e o Tubarão aproveitou, para voltar a ficar à frente no placar – mesmo mais contido que antes. O cronômetro marcava nove minutos quando Arthur cabeceou baixo para uma boa defesa de Ednaldo e, no rebote, Celsinho chegou batendo para fazer 2 a 1.

Poderia abater, mas o gol do rival foi algo que motivou ainda mais a Zebra a ir para cima. Algumas tentativas foram feitas, mas o novo empate só sairia com um golaço para coroar um jogo bastante disputado, digno de uma final, no Café. Foi o que aconteceu aos 22 minutos: um cruzamento foi cortado e Baiano, da intermediária, chutou forte de primeira e acertou o canto esquerdo inferior para vencer Vitor e botar o 2 a 2 no marcador.

Mais uma vez, assim como no primeiro tempo, a igualdade foi determinante e fez o jogo ficar aberto. Os dois times queriam sair de campo com uma vantagem para a partida da volta no Willie Davids. Se um atacava, o outro logo tentava responder. Apesar deste panorama, o cansaço começava a pegar e as chances de mais um gol ser marcado rarearam.

Com a proximidade do fim, os mínimos detalhes passaram a pesar. Foi o caso do preparo físico do Maringá, mas em dia que o do Londrina pelo desgaste das semifinais. Mesmo assim, já nos últimos suspiros, o Tubarão não desistiu de jogar e fez frente à Zebra que queria apenas que o jogo acabasse. E foi assim que os primeiros 90 minutos da decisão chegaram ao fim, com um empate em 2 a 2 que deixa tudo em aberto.

FICHA TÉCNICA
LONDRINA 2 X 2 MARINGÁ

Local: Estádio do Café, em Londrina (PR).
Data: 06 de abril de 2014, domingo.
Horário: 16h.

Londrina: Vitor; Maicon Silva, Dirceu, Gilvan e Paulinho; Diogo Roque (Silvio), Bidia (Alexandre Oliveira), Celsinho (Lucas Gomes) e Rone Dias; Joel e Arthur.
Técnico: Claudio Tencati.

Maringá: Ednaldo; Reginaldo, Juninho, Fabiano e Fernandinho (Baiano); Zé Leandro, Serginho Paulista, Léo Maringá e Renan Tavares (Fábio Gomes); Cristiano e Gabriel Barcos (Fábio Martins).
Técnico: Claudemir Sturion.

Público pagante: 26.227 pessoas.
Público total: 27.977 pessoas.
Renda: R$ 873.550,00.

Cartões amarelos: Gilvan, Bidia, Joel (LEC). Serginho Paulista (MGA).

Gols: Joel (LEC), aos 17 minutos, e Gabriel Barcos (MGA), aos 24 minutos do primeiro tempo. Celsinho (LEC), aos 10 minutos, e Baiano (MGA), aos 22 minutos do segundo tempo.