Rafael Nadal vai encarar Raonic nas quartas de final (Divulgação/ATP)

Após três anos, Rafael Nadal está de volta às quartas de final do Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam da temporada de 2017. Nesta segunda-feira, o tenista espanhol fez uma grande partida para derrotar o francês Gael Monfils por 3 sets a 1 – com parciais de 6/3, 6/3, 4/6 e 4/6, em quase 3 horas de jogo – e chegar mais longe em Melbourne desde o vice em 2014.

Mostrando um bom preparo físico, mesmo jogando no calor do verão em Melbourne, Rafael Nadal bateu o Gael Monfils pela 13.ª vez em 15 confrontos na carreira. O seu próximo adversário será o canadense Milos Raonic, que passou pelo espanhol Roberto Bautista-Agut por 3 sets a 1 – com parciais de 7/6 (8/6), 3/6, 6/4 e 6/1, em 2 horas e 51 minutos de jogo. No histórico, Nadal leva vantagem por 6 a 2.

A última vez que o espanhol atingiu as quartas de final de um Grand Slam foi em Roland Garros de 2014. Depois disso, seu máximo veio com as oitavas de final do US Open do ano passado. Apesar de ter apenas um título em Melbourne, Nadal iguala o sérvio Novak Djokovic com nove presenças em quartas de final do torneio e atinge ao mesmo tempo a 30.ª da carreira.

Já Milos Raonic é agora o tenista mais bem ranqueado que continua vivo no Aberto da Austrália, depois das surpreendentes eliminações do britânico Andy Murray e do sérvio Novak Djokovic. Número 3 do mundo, o canadense chega pelo terceiro ano seguido às quartas de final na Austrália, sendo que o canadense busca a segunda semifinal seguida. O jogador de 26 anos tenta alcançar a segunda final de Grand Slam na carreira.

Também nesta segunda-feira, o belga David Goffin derrotou de virada o austríaco Dominic Thiem por 3 sets a 1 – com parciais de 5/7, 7/6 (7/4), 6/4 e 6/2, após 2 horas e 43 minutos de confronto. Seu próximo rival será o búlgaro Grigor Dimitrov, que acabou com as chances da zebra Denis Istomin, do Usbequistão – eliminou Djokovic na segunda rodada -, com a vitória por 2 a 1 – parciais de 2/6, 7/6 (7/2), 6/2 e 6/1.

Nas quartas de final, Goffin terá de quebrar o tabu de nunca ter vencido Dimitrov. Foram quatro jogos e quatro derrotas, mas curiosamente nenhum duelo aconteceu por Grand Slam, Masters 1000 ou ATPs 500 ou 250. Foram três torneios da série Challenger e um Future, competições com pontuações menores.

Já o búlgaro, número 15 do mundo, chega embalado com nove vitórias seguidas na temporada – venceu o ATP 250 de Brisbane na primeira semana do ano.